Durante o mês de março a Jean Louis David está ligada ao fundo de investigação iMM-Laço. A marca vai fazer doações por cada cliente que pisar qualquer um dos seus salões a nível nacional e usufruir de um dos seus packs promocionais.

A parceria surge no âmbito das Hair Fashion Weeks. É já a nona edição e desta vez o fundo que investiga o cancro da mama foi o escolhido para receber os donativos desta edição. A Jean Louis David costuma associar-se a instituições que estejam intimamente ligadas às mulheres e alternar entre o iMM-Laço e a APAV nesta iniciativa.

A marca garante já ter angariado 27.499 euros para apoiar o Fundo iMM-Laço em edições anteriores das Hair Fashion Weeks.

Existem dois packs promocionais, pensados para esta iniciativa. As doações são em base a cada pack vendido.

Entre 11 a 17 de março, celebra-se a Semana da Cor: qualquer serviço de coloração, brushing e lavagem/massagem custará 30 euros. O preço representa um desconto considerável, já que o preço normal do serviço é de 50 euros.

Já de 18 a 24 de março, qualquer serviço de corte, brushing/finish e lavagem/massagem terá o preço de 20 euros.

Durante todo o mês, vai ser ainda possível adquirir vouchers Hair Fashion Weeks. Os vouchers permitem que os  clientes usufruam dos packs promocionais mais tarde, se assim o desejarem, entre 1 de abril e 31 de maio, quando a campanha já terminou nos salões.

Por cada pack promocional ou voucher vendido, serão doados dois euros ao Fundo iMM-Laço.

A iniciativa – de responsabilidade social – tem como objetivo sensibilizar as pessoas, este ano, para a luta contra o cancro da mama.

O que é o Fundo iMM-Laço?

A Laço e o Instituto de Medicina Molecular (iMMLisboa) uniram-se para investigar o cancro da mama, criando um fundo para investigação. A Associação Laço atribuiu cinco bolsas de investigação no valor total de 125 mil euros que vão permitir novas descobertas na procura das causas do cancro da mama e diminuir a sua incidência, assim como os mecanismos que desencadeiam o cancro da mama metastático, uma área muito pouco estudada.

*artigo atualizado às 18h34