Morreu esta terça-feira, dia 19, aos 85 anos, Karl Lagerfeld, diretor criativo da marca Chanel. O designer e ícone da moda morreu em Paris, e, de acordo com a a revista francesa Closer,  já se encontrava há várias semanas doente, chegando mesmo a ser internado de urgência esta segunda-feira, dia 18.

De momento, ainda são desconhecidas as causas da morte, no entanto Lagarfeld já se encontrava bastante distante do mundo da moda, sendo que foi notória a sua ausência no último desfile da marca Chanel, em Paris. O designer não surgiu no final da apresentação, o que a marca justificou de imediato como cansaço.

Karl Lagerfeld nasceu em Hamburgo, Alemanha, a 10 de Setembro de 1933, e deu os primeiros passos no mundo da moda em 1955 como assistente do reconhecido gigante da moda Pierre Balmain.

“Eu sou uma espécie de ninfomaníaco da moda que nunca tem um orgasmo.”

Desde de então, o seu percurso passou por outras grandes casas da alta costura, tais como Jean Patou e Fendi, o que lhe valeu o título de “Kaiser da Moda”. Durante alguns anos trabalhou também como freelancer, altura em que colaborou com a marca Chlóe, em 1964, desenhando algumas peças para cada estação.

Fotografia: Magg
Karl Lagerfeld, 1987

Em 1983 chega à Chanel com quem trabalhou durante 36 anos, até à sua morte, trazendo à marca um visual moderno e, de acordo Alain Wertheimer, sócio da marca Chanel, bastante à frente do seu tempo, o que, em larga medida, contribui para o sucesso da casa Chanel.

Fotografia: Magg
Coleção outono-inverno Chanel, 1985

Contudo, ao mesmo tempo, continuou a produzir coleções para a casa Fendi e também para a sua própria marca, Karl Lagerfeld, onde produtos como pêlo italiano e cabedal assumiam um papel de destaque, o que gerou bastantes controvérsias com a PETA, uma ONG cuja missão é a proteção dos animais .

A imagem de marca era o fato preto, o cabelo branco apanhado num rabo de cavalo e o pelos clássicos óculos de sol, que trazia sempre consigo desde 1967.

Nesse ano sofreu um insólito incidente, numa discoteca, onde foi atacado pelo ex-namorado de uma amiga com quem estava. Em entrevista ao jornal alemão ZEITmann, o diretor criativo contou que essa situação fê-lo aperceber que os olhos eram o “bem mais precioso que tinha.”, utilizando os óculos de sol como proteção.

Para além da moda, a fotografia era outra das grandes paixões de Karl Lagerfeld, e, em 2007, lança a obra fotográfica Visionaire 23: The Emperor’s New Clothes, que contém uma série de retratos nus de vários modelos e celebridades.

Aliás, ao longo da sua carreira o designer trabalhou com grandes nomes da indústria da moda, do cinema e até da música, tais como Claudi Schiffer, Naomi Campbell, Blake Lively e até Rihanna.

“Eu sou como uma caricatura de mim mesmo, e gosto disso. É como uma máscara. E para mim o Carnaval de Veneza dura o ano todo.”

Lagerfeld, que se assumia como uma caricatura de si mesmo e para quem o Carnaval de Veneza durava o ano inteiro todo o ano, não deixa descendentes diretos, apenas a sua estimada gata Choupette, que rapidamente se tornou um sucesso nas redes sociais.

https://www.instagram.com/p/BTdqx5hFBLy/

Porém, deixa para trás uma carreira de sucessos e uma imagem revolucionária do mundo da moda.