Depois de termos escolhido algumas canções para dedicares à cara metade no Dia dos Namorados, achamos por bem fazer juntar também músicas que deves evitar a todo o custo no 14 de fevereiro. Algumas parecem muito românticas à primeira vista, mas depois vai-se ver bem e escondem um lado mais negro. Outras são explicitamente contra aquilo que o Dia de São Valentim representa. Aqui ficam aquelas músicas que, se dedicares ou te for dedicada, é porque as coisas não estão a correr muito bem.

Amor, a Nossa Vida – Capitão Fausto

Amor, a Nossa Vida é o terceiro single que os Capitão Fausto escolheram para antecipar o novo álbum, A Invenção do Dia Claro. A música é repleta de uma atmosfera triste e derrotista, sobretudo a nível lírico, onde Tomás Wallenstein canta sobre um relacionamento acabado. Amor, a nossa vida andava torta desde o verão/Lançava-se à corrida mas perdeu a direcção, acusa o protagonista no início do tema. No final da música, tal como no final de uma relação, fica o sentimento de solidão e de um amor vagabundo que todos nós, à nossa maneira, conhecemos. Foi apenas na semana passada nos chegou esta balada dos rapazes de Alvalade, mas vamos ficar a chorar por ela até que o novo disco chegue em março. PDS

Another One – Mac DeMarco

É por muitos conhecida a vertente pinga-amor de Mac DeMarco. Com músicas como Still Together e My Kind Of Woman, o príncipe do indie-rock habituou-nos a temas joviais sobre como um amor fácil e despreocupado pode durar. Em Another One a temática permanece, mas a abordagem é diferente. Mac deixa os habituais riffs de guitarra e senta-se nos teclados para cantar sobre as dúvidas de um relacionamento, mesmo sendo não justificadas. A melodia é doce e agradável, mas a letra deixa espaço para refletir. Must be another one she loves, canta o protagonista ao longo da música. PDS

Dead to Me – Kali Uchis

Apesar de não ficar explícito se Kali Uchis se refere a uma ex-relação ou um ex-amigo, na verdade, ouvir da boca de alguém que “You’re Dead to Me” não deve ser propriamente das coisas mais agradáveis. Andar a desejar a morte a alguém que em tempo foi tão querido é o sentimento número um a evitar neste dia. E, não, nem o instrumental doce torna a declaração menos dolorosa. Portanto, se querem dedicar a canção de Uchis, por favor esperem por dia 15, para não parecer tão cruel. AR

Every Breath You Take – The Police

Um dos maiores êxitos dos The Police é a balada de amor, que, à partida parece ser inofensiva dada ao tom melancólico da mesma. No entanto, a canção da banda britânica evidencia uma relação possessiva de um rapaz perante a sua companheira. No refrão, Sting canta que vai estar ‘à espreita (“I’ll be watching you”) da suposta namorada e, independentemente do que a rapariga fizer, a mesma ‘pertencê-lo’ (“You belong to me”). Isto em tom fofinho. Que querido que é o Sting! Ironia à parte, o tema, em 1984, venceu dois prémios Grammy, sendo um deles, canção do ano. Realmente os anos 1980 eram bem diferentes. Seria impensável um artista lançar uma música destas em 2019. JP

Forget You – Cee Lo Green

Quem gostaria que lhe dedicassem uma música carregada de ironia e sarcasmo, além de nos chamarem de interesseiros? Parece que Cee Lo Green prefere um amor verdadeiro e uma cabana e coitada de quem lhe der com os pés, ele manda dar uma volta grande ao quarteirão e ainda lhe dedica uma música. “I still wish you the best with a forget you”, numa versão mais soft sem quaisquer palavrões. Don’t mess with a broken heart. DC

Fuck It (I Don’t Want You Back) – Eamon

Tememos, de certa forma, a inclusão desta música, por não podermos dissecar o refrão da maneira que gostaríamos. O facto é que Eamon, one hit wonder por excelência, fez uma das mais icónicas canções sobre a tristeza e raiva que pode existir no fim de um relacionamento amoroso. Na verdade, não conseguimos lembrar-nos de nenhum filho do fim dos anos 80 ou início dos anos 90 que não saiba este hino de cor. Quer se identifique ou não com a temática da canção. Eamon está triste, sentiu-se traído, exalta a raiva que vai dentro de si. Eamon gostou, confiou, e foi tudo pelo cano. E, de repente, deixaram de ter significado as palavras, os beijos. Os presentes têm que ir para o lixo, Eamon não quer a namorada de volta (quer “que se lixe”!). E di-lo de forma tão sentida que faz com que queiramos juntar-nos e cantá-la em uníssono à protagonista da história, num ato de plena solidariedade. Ou talvez alguns de nós tenham outros alvos em mente. AM

Girlfriend In A Coma – The Smiths

Hum, o título fala por si. Embora haja uma ponta de romantismo, o facto (óbvio) de a namorada entra em coma é um problema sério. Mas, além disso, referir que em tempos até se quis assassiná-la it’s a no no. Na realidade, provavelmente qualquer música de The Smiths, parecendo que não, se encaixaria numa playlist de músicas a não dedicar. É que mesmo no meio de versos por vezes maravilhosos e aparentemente românticos, o lado depressivo é demasiado vincado. ACS

Motion Picture Soundtrack – Radiohead

Beleza proporcional à dureza. Este é mais um tema poético da lavra de excelentíssimo senhor Thom Yorke que, carregado de amor, encerra em si uma dor profunda. Ainda que carregado de esperança (“I will see you in the next life”) e embalado por uma melodia cinematográfica, parece ser boa opção apenas no caso de o amor ter chegado ao fim. ACS

Vai-te Embora – Bispo

O verdadeiro pedido para que saiam da nossa vida. O corte de relação que é dado ainda com sentimento e saudade: “Esquece isso e eu já disse yeah I miss you baby”, ouve-se a certo ponto da música. Antes do término, Bispo resolvia a situação com uma vírgula e não um ponto final porque, diz ele, não promete exclusividade (“Quero o teu corpo junto ao meu/Mas não prometo ser só teu/Quem falhou aqui fui eu/Quem errou aqui fui eu/Mas ainda me deito contigo no peito, eu queria mas não deu”). Bem, parece que alguém mereceu ir embora. DC

Yeah Right – Joji

Todos já conhecemos uma vez na vida aqueles casais em que o interesse material se sobrepõe ao dito amor puro e simples. Joji (também conhecido por Filthy Frank) atingiu uma enorme fama que lhe trouxe muitas mulheres com segundas intenções. Considera-se um homem “pouco atraente” e, por isso, está ciente que o amor verdadeiro pode estar longe de chegar. No entanto, mesmo ciente da falsidade à sua volta, o cantor opta por simplesmente “deixar andar” as suas relações. Yeah, you bet I know that she ain’t never give a single f**k about me/ Yeah you bet she know that we ain’t never gonna be together, I see. Esta é definitivamente uma das músicas a não dedicar ao teu par, ou se fores um dos infortunados na mesma situação que o Joji, então talvez esta seja a hora. JT

Escolhas de Alexandra Correia Silva, Ana Manuel, Ana Rosário, Daniela Carmo, Edgar Simões, Jenifer Tang, João Pardal e Pedro Dinis Silva