IMDb

‘Green Book’: Uma viagem improvável

Estreou esta semana, em Portugal, outro potencial vencedor do Oscar de Melhor FilmeGreen Book – Um Guia Para a Vida (2018) já venceu o Globo de Ouro de Melhor Filme – Comédia ou Musical, anualmente atribuído pela Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood.

O filme junta Viggo Mortensen a Mahershala Ali, numa dupla que tem tanto de improvável como de promissora. Afinal, muitas das duplas icónicas do cinema assim o foram, e são exemplos disso Morgan Freeman e Jessica Tandy no premiado máximo pela Academia Miss Daisy (1989) ou, 20 anos antes, Dustin Hoffman e Jon Voight em O Cowboy da Meia-Noite (1969), com igual distinção.

Mas foquemo-nos na mais recente obra de Peter Farrelly, então responsável pelos filmes Doidos à Solta (1994) e Doidos à Solta, de Novo (2014). Já se ouvem comparações entre o enredo de Green Book – Um Guia Para a Vida e o do francês Amigos Improváveis (2011), mas esta história é um tanto diferente.

Vê também: Produtores de Hollywood colocam ‘Green Book’ como favorito nos Oscars

O filme retrata a história verídica de Tony Lip (Viggo Mortensen), um faz-tudo que se torna chauffeur de Dr. Don Shirley (Mahershala Ali), um conceituado pianista clássico, numa tour pelo sul dos Estados Unidos durante os anos 60.

A cumplicidade entre ambos vai-se gerando à medida que as rodas vão girando, e questões como o racismo e a solidão são pontos que vão interligando o argumento do filme, escrito por Nick Vallelonga (filho da personagem principal, Tony), Brian Hayes Currie e pelo realizador, Peter Farrelly.

A personagem de Viggo Mortensen, Tony Lip, foi ator na série Os Sopranos (2001-2007) e em Tudo Bons Rapazes (1990) (Fotografia: IMDb)

A um mês da principal celebração dos melhores filmes do ano, Green Book – Um Guia Para a Vida vai a jogo com cinco nomeações: Melhor Filme, Melhores Atores Principal e Secundário, Melhor Argumento Original e Melhor Edição.

A tom de curiosidade, o filme é dedicado a Larry the Crow, um corvo que não largou o set de rodagem e que, depois de ser atropelado, teve direito aos cuidados de Viggo Mortensen, ator conhecido pelo papel do rei Aragorn na trilogia O Senhor dos Anéis (2001-2003).

Fica em expectativa se um dos carros mais famosos dos filmes de 2018, conduzido por Mortensen, vai ser capaz de atropelar obras como Roma (2018), Bohemian Rhapsody (2018) (também vencedor do prémio máximo nos Globos de Ouro, mas na categoria de Drama) ou A Favorita (2018), de Yorgos Lanthimos, e assim vencer o Oscar de Melhor Filme do ano.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Love is Blind
‘Love is Blind’ e ‘Marie Kondo’ vão ter mais temporadas na Netflix