A sala está cheia e os bilhetes esgotados há semanas. Porém, ainda há esperançosos que se dirigem à bilheteira, na expectativa de poder ouvir Gavin James. Pela primeira vez em Portugal, o cantor irlandês estreou-se no Hard Club do Porto, na passada sexta feira (18).

O bom humor irlandês não deixou ninguém indiferente. Começou com Declan Greene que fez as honras e abriu o concerto a James. Gargalhas não faltaram e até foram mútuas: o ambiente de empatia estava criado. Gavin ficou mesmo surpreendido com o trautear das suas canções pelo público. “É a primeira vez que alguém canta esta música comigo”, apontou ainda pouco tempo depois de subir ao palco.

Fossem as canções mais tristes, como várias vezes referiu o cantor, James rapidamente alegrava o público, durante os intervalos que as intercalam. As piadas foram mesmo contagiantes. O músico irlandês chegou até a arriscar no português: “queres cantar comigo?”, perguntou.

Uma noite de primeiras vezes

A noite foi de estreias. Não só constituiu a primeira vez do cantor em Portugal, mas também o início da nova digressão, cujo nome é emprestado do álbum que James lançou em outubro de 2018, incluindo os êxitos Always e Glow. A Only Ticket Home World Tour vai percorrer várias cidades e o Porto foi a primeira.

Claro está que esses mesmos sucessos deixaram o Hard Club ao rubro. Always foi a música mais cantada e aplaudida, no entanto, Nervous não se ficou nada atrás. Ao introduzi-la, James brincou com o seu remix—o single conheceu mais sucesso numa versão acelerada—que lhe tira o fôlego, quase impossível de cantar ao vivo.

Em Hearts On Fire, James levou o público ao chão, literalmente; foi tempo de ver o Hard Club baixar-se ao ritmo da música. Mas as surpresas não ficavam por aí. A empatia não lhe chegou. Foi então que o músico irlandês teve que ir para o meio dos que o tinham vindo ouvir. Acompanhado pela guitarra, James cantou You Don’t Know Me, versão do clássico de Ray Charles.

A acabar em grande, o artista vibrou mesmo com o público. Foram inúmeros os hey seguidos por la la la, ao som de Only Ticket Home. Não fosse esse o último tema, Gavin James partiu uma das cordas da guitarra. Seguiu a música, sem nunca parar… Lá se foi mais uma. A dança de guitarras foi constante e, no final dos finais, uma delas voou do meio do palco para trás das cortinas, na lateral do palco. Quanto a Gavin James, tal como prometido pelo próprio, esperamos que o seu voo de regresso seja para breve.

Fotografia: Miguel Fonseca