O que seria do Natal sem as canções? Ano após ano são repetidas nas ruas, centros comerciais, espetáculos e programas de televisão. São uma parte essencial da quadra, tão importantes como o peru, os sonhos e as prendas. As canções de Natal são um género em si próprio, com uma sonoridade muito característica e temáticas só cantadas durante o mês de dezembro. Porém, os outros géneros musicais não fogem às celebrações e também se “apropriaram” da época para a cantarem à sua própria maneira.

Assim, a secção de música do Espalha-Factos mostra-te como é o Natal descrito em…

… Eletrónica

Frosty Bounce – Diplo (feat. Angger Dimas e Nicky Da B)

Uma pessoa ouve isto e tem vontade de passar o Natal com o pé na areia, de biquíni vestido e barrete de Pai Natal enfiado. Ritmo e batidas certas com uma jovialidade e infantilidade que reportam ao imaginário natalício fazem deste um excelente tema de eletrónica que invoca a magia do Natal, ao mesmo tempo que auxilia a perda das calorias ingeridas na ceia. – ACS

… Folk

Fairytale of New YorkThe Pogues (feat. Kirsty MacColl)

Antes de Fairytale of New York, lançada como single em 1987, ninguém associaria The Pogues, conhecidos celtic-punk rockers formados em Londres, com a quadra natalícia. Reza a lenda que Elvis Costello, o produtor da banda na altura, tinha apostado que o grupo não conseguia lançar um hit de Natal. Hoje, a canção escrita por Shane MacGowan e Jem Finer é considerada um clássico pelo mundo inteiro, tendo sido eleita como a música de Natal favorita dos britânicos por três anos consecutivos (2004, 2005 e 2006), numa votação dinamizada pela VH1. Envolta numa narrativa centrada na emigração dos irlandeses para os Estados Unidos e com um tom de balada folk celta característico dos The Pogues, Fairytale of New York aconselha-se e chega para todos – mesmo para os que, como o autor deste texto, ficam facilmente saturados com os restantes sucessos comerciais da época. – PDS

… Funk

Merry Christmas Baby – Ike e Tina Turner

O tema saiu no Natal de 1964, mas é na verdade uma cover de Johnny Moore’s Three Blazers editada no ano de 1947. Reflete bem o groove do funk mas também o espírito natalício que se pretende na época. A sintonia entre o casal (apesar de agora lhe conhecermos a conturbada história) está tão presente neste tema que mais parece Rudolfo e o Pai Natal na sua missão de tornar toda a gente mais feliz no dia 25 de dezembro. – ACS

LÊ TAMBÉM: MÚSICAS DE NATAL DE 2018? SIM, EXISTEM E MOSTRAMOS-TE 5

… Hip-Hop

Carta ao Pai NatalBoss AC

Recuamos a 2005 e, no álbum Ritmo, Amor e Palavras – R.A.P, encontramos a carta aberta de Boss AC ao Pai Natal. Os desejos são de alguém, que não concordando com a situação de desequilíbrio económico e social do Mundo, se revolta e pede, pela primeira vez, a resolução de todos esses problemas. Temas como a governação mundial, a religião, a indigência, a velhice e o consequente isolamento são alguns exemplos daquilo a que esta música pretende chegar. Por outro lado, o consumismo – personificado na figura do Pai Natal, uma criação da Coca-Cola – também é criticado, uma vez que a quadra natalícia, ao invés de significar a união da família, acaba por se traduzir no número de prendas que se vão desembrulhar. – DC

… Indie

Silent Night – Sufjan Stevens

Sufjan Stevens fez um maravilhoso disco quíntuplo natalício recorrendo, como qualquer artista do mundo alternativo (signifique, hoje, o que quer que seja), a uma multiplicidade de instrumentos. Brincando com os clássicos de Natal e dando-lhes o seu toque especial, transformou um tema de difícil digestão num belo momento de abertura da ceia de Natal. Faz parte do conjunto de cinco EPs que compõem Songs for Christmas, de 2006. – ACS

… Pop Rock

Thank God It’s ChristmasQueen

No ano em que os Queen são os campeões nas bilheteiras dos cinemas, é relevante relembrar o êxito natalício da banda britânica. Editado como single em 1984, a canção Thank God It’s Christmas rapidamente tornou-se num clássico obrigatório nos anos seguintes. A letra, escrita por Roger Taylor e Brian May, fala do espírito de união que o Natal propicia, com desejos de fortalecer este sentimento repartido pelo ano inteiro. A voz de Freddie Mercury e o arranjo musical em si (com coros e sinos natalícios) fazem com que Thank God It’s Christmas seja um tema marcante e que se destaca em qualquer playlist desta época. – JP

… e Punk Rock

I Won’t Be Home for ChristmasBlink 182

Quando pensamos na quadra natalícia, não conseguimos associá-la à irreverência característica do punk rock. Contudo, a verdade é que a malta das cristas, que toca guitarra enquanto anda de skate e que pensa que tem dezoito anos para sempre, também tem direito a imortalizar os sentimentos que esta época do ano lhes desperta. Mal começamos a ouvir a canção percebemos, ao contrário de Frank Sinatra, os Blink 182 dispensam estar em casa na noite de consoada. Dispensam também muitas outras coisas associadas ao Natal, embora usem uns sininhos no refrão. Não aconselhamos esta canção aos aficionados da quadra, sob pena de saírem defraudados. Mas apostamos que quem guarda um pequeno Grinch dentro de si vai adorar. – AM

Escolhas de Alexandra Correia Silva, Ana Manuel, Daniela Carmo, João Pardal e Pedro Dinis Silva