O ator Michael Weatherly, estrela da série Bull, entrou este mês com estrondo na tempestade #MeToo, com acusações de assédio por parte da colega de elenco Eliza Dushku.

Weatherly é conhecido pelo seu papel de destaque na série NCIS, que desempenhou ao longo de 13 temporadas. Em 2016, estreou-se como protagonista na série Bull, cuja personagem principal é parcialmente inspirada em Phil McGraw, apresentador do programa Dr. Phil.

O The New York Times relatou na semana passada que o canal CBS, casa das séries NCIS e Bull, pagou 9,5 milhões de dólares para silenciar a atriz Eliza Dushku, após acusar Michael Weatherly de assédio.

O jornal descreve que Eliza Dushku, reconhecida pelo seu trabalho em Buffy the Vampire Slayer, assinou em 2017 um contrato para participar em três episódios da série Bull, que tinha estreado com sucesso de audiências em setembro de 2016. A expectativa seria que a atriz pudesse juntar-se posteriormente ao elenco fixo da série.

Contudo, o trabalho de bastidores ter-se-á mostrado problemático, com Weatherly a fazer de forma recorrente comentários à frente do elenco e da equipa sobre a sua aparência, fazendo piadas de violação, ou comentários sobre sexo a três. A atriz confrontou posteriormente Weatherly sobre o seu comportamento e, poucos dias depois, foi excluída da série, não voltando a aparecer no elenco após esses três episódios iniciais.

Dushku denuncia ambiente sexualizado dos bastidores de Bull

Depois de um processo de mediação com a CBS, a empresa concordou em firmar um acordo de confidencialidade com Eliza Dushku, no valor de cerca de 8,3 milhões de euros. É o valor equivalente ao que a atriz receberia caso estivesse no elenco fixo da série durante quatro temporadas.

Esta semana, e após a notícia do The New York Times causar ondas de choque, Eliza Dushku publicou um artigo de opinião no Boston Globe, onde afirma que tentou abordar Weatherly e pedir-lhe ajuda para tornarem o ambiente de trabalho menos sexualizado. Em resposta, o ator teria pedido à produção que a retirassem da série.

A atriz afirma que Weatherly fez vários comentários lascivos, que ficaram registados nas filmagens e ensaios da série. Estes momentos foram usados como prova nas negociações para o seu acordo com a CBS.

Dushku acrescenta que os executivos da CBS não faziam ideia de que ela ia ser despedida e ficaram chocados quando souberam da notícia. Sublinha igualmente que um dos requisitos que introduziu no acordo foi o canal garantir que levaria um especialista em monitorização de assédio sexual aos estúdios, para acompanhar o comportamento de Weatherly.

“O que é mais difícil partilhar é a forma como (Weatherly) me fez sentir durante 10 a 12 horas por dia durante semanas”, acrescentando que de um clássico assédio no local do trabalho modificou-se para um bullying no local de trabalho. A atriz descreve ter vivido um constante sentimento de pavor quando estava perto dele.

Weatherly pede desculpa, mas nega envolvimento no despedimento de Dushku

Por seu turno Weatherly enviou uma declaração ao Times com um pedido de desculpa público, onde afirma: “Durante o decurso das gravações da nossa série, eu fiz algumas piadas a gozar com algumas linhas do guião. Quando a Eliza me disse que ela não estava confortável com a minha linguagem e tentativa de fazer humor, eu fiquei mortificado por a ter ofendido e pedi desculpa imediatamente. Após refletir posteriormente, eu compreendi melhor que o que eu disse não era engraçado nem apropriado, sinto muito e arrependo-me do sofrimento que causei à Eliza”.

Contudo, o ator nega ter qualquer ligação com o fim do vínculo de Dushku com a série, afirmando que não se lembra de falar com qualquer pessoa sobre quem deveria ser contratado ou despedido.