André Aciman anunciou, na passada terça-feira, que está a escrever uma segunda parte do seu mais famoso romance. Chama-me Pelo Teu Nome (Call Me By Your Name, originalmente), a famosa história de amor de Elio e Oliver vai regressar às bancas e aos fãs, revelou o The Guardian.

Adaptado em 2017 para filme, Chama-me Pelo Teu Nome foi um sucesso de vendas e um verdadeiro sucesso. O filme, protagonizado pelos atores Timothée Chalamet e Armie Hammer, arrecadou o Óscar de Melhor Argumento Adaptado e foi nomeado para outras categorias no mesmo ano, incluindo Melhor Filme ou a nomeação de Timotheé Chalamet para Melhor Ator.

A história tem como base o romance entre dois homens, Eliot e Oliver. Eliot é um adolescente a passar férias em Itália com a sua família; Eliot é um homem licenciado mais velho que os visita durante o verão. Com o passar dos dias e das noites na vila italiana, Eliot e Oliver desenvolvem uma cumplicidade romântica difícil de abalar.

Existem algumas diferenças já conhecidas entre o filme e o livro, sendo uma delas a diferença das idades dos personagens. No filme, Elio e Oliver terminam a sua história ainda novos, sendo que no livro é descrito um encontro entre os amantes, 20 anos após o seu romance.

Um ‘vai e não vai’ que deixou os fãs ansiosos

Esta terça-feira o autor do romance, André Aciman, revelou a novidade na sua página no Twitter.

O diretor do filme, Luca Guadagnino, já tinha deixado no ar a ideia de uma sequela afirmando que as 40 últimas páginas do romance exploravam a relação futura entre os dois personagens. Na sua opinião, teria sido deixado claro por parte do autor, que a história podia continuar.

Em entrevista para o Hollywood Reporter, Luca afirmou: “na minha opinião, o ‘Chama-me Pelo Teu Nome’ pode ser um primeiro capítulo das crónicas da vida destas duas personagens que se conheceram neste filme. Se a primeira crónica é a história de Eliot crescer e se tornar num jovem adulto, talvez o próximo capítulo possa ser acerca da sua posição no mundo enquanto jovem adulto, o que ele quer – e o que restou anos após de um ‘murro no estômago’ emocional tão forte, que fez dele quem é?”.

No entanto, a notícia de uma possível sequela cinematográfica foi posta em causa pelo argumentista James Ivory, que ganhou o Óscar pela adaptação ao cinema. Segundo o mesmo em entrevista para o Film Stage, André Aciman teria soltado gargalhadas acerca do assunto, dizendo que não era uma boa ideia. Na opinião de James Ivory, sem a aprovação do autor do romance, não faria sentido fazer uma sequela.

Ao que parece, a pedido de muitos fãs e após um sucesso estrondoso, parece que Aciman mudou de ideias e está a escrever a segunda parte deste romance que já correu e tocou o mundo. Agora, resta esperar por mais novidades.

LÊ TAMBÉM: OS OITO LIVROS QUE OS FÃS DE THE HANDMAID’S TALE PRECISAM DE LER