A próxima obra de José Luís Peixoto está para breve. Sabe-se, para já, que o escritor está a terminar um romance e que este terá sido escrito, durante os últimos meses, entre viagens de contacto com os seus leitores pelos vários continentes. Vai chegar às mãos do público já no próximo ano.

Em entrevista enviada ao Notícias ao Minuto, no contexto da 32.ª Feira Internacional do Livro de Guadalajara, o autor português, conversou sobre o seu método de escrita, revelando que nos quartos de hotel por onde tem passado encontrou o ambiente adequado para escrever o seu próximo livro:

“Considero bastante propício à escrita. Em viagem e nessa falta de relação com aquele espaço, consegue-se olhar para dentro e ter a atenção dedicada àquele mundo”, confessou.

O escritor viaja bastante, para países tão distintos como o México, a Colômbia, o Brasil, o Japão e a Índia, já que as atividades de contacto com os leitores, como feiras dos livros, encontros e sessões de autógrafos, são oportunidades que vê como valiosas.

“Os livros dispensam esse outro lado, mas sou um ser humano, e preciso dele e gosto dele, e faz-me muito bem olhar nos olhos dessas pessoas que leem os livros, motiva-me e dá sentido para esse outro trabalho, solitário, que é escrevê-los”, explicou na mesma entrevista.

Motivação essa que se entende especialmente quando se sabe de histórias como a do leitor que aprendeu português para ler as suas obras, como também contou José Luís Peixoto.

Com uma popularidade crescente na América Latina, o escritor encontra-se, mais uma vez, na Feira Internacional do Livro de Guadalajara que termina este domingo. Este ano, marca presença por conta da participação de Portugal, com um programa cultural alargado e pensado para os leitores latino-americanos, esforço que o autor acredita será recompensador.José Luís Peixoto autografa livros oferecidos aos convidados

Sobre o autor

José Luís Peixoto é um dos mais conceituados nomes da literatura portuguesa contemporânea.

Estreou-se em 2000 com Morreste-me e Nenhum Olhar, tendo com este último arrebatado o Prémio Literário José Saramago em 2001, e, desde então que tem, constantemente, conquistado o reconhecimento do público e da crítica.

“Uma das revelações mais surpreendentes da literatura portuguesa. É um homem que sabe escrever e que vai ser o continuador dos grande escritores”, foi a consideração que José Saramago teceu sobre José Luís Peixoto.

LÊ TAMBÉM: TEATRO DONA MARIA CONTINUA A CELEBRAR 20 ANOS DO NOBEL DE SARAMAGO