A produtora Alcon Television anunciou Blade Runner — Black Lotus, uma série de anime que tira inspiração do recente Blade Runner 2049 e conta com Shinichiro Watanabe, o criador da aclamada série Cowboy Bebop, enquanto produtor criativo.

A série de 13 episódios de 30 minutos é uma parceria entre três produtoras: a Alcon, produtora de 2049; o canal Adult Swim, a porção noturna do Cartoon Network para adultos; e Crunchyroll, um serviço de streaming semelhante à Netflix orientado para fãs de Anime. Blade RunnerBlack Lotus ainda não tem data de lançamento.

Blade Runner 2049

A série vai tirar inspiração do visualmente impressionante Blade Runner 2049

Pouco se sabe sobre esta versão anime. Segundo a descrição dada, o enredo da série passa-se em 2032, entre Blade Runner 2049 e o original (passado em 2019), e vai envolver personagens estabelecidas nestes filmes.

O Sola Digital Arts será o estúdio responsável pela animação. A série vai ser realizada por Shinji Aramaki e Kenji Kamiyama, que também estão envolvidos com o reboot de Ghost in the Shell.

Em 2017, o estúdio trabalhou com Watanabe em Blade Runner Black Out 2022 numa curta promocional para o lançamento de Blade Runner 2049.

No que toca à distribuição, o Crunchyroll vai ser o distribuidor de streaming mundial. Ao contrário da Netflix, o serviço dispõe de uma modalidade gratuita que não permite ver Simulcasts (lançamentos em direto do Japão) ou o episódio mais recente de séries atuais.

Uma franchise em desenvolvimento?

Esta série não é o primeiro salto que o universo Blade Runner dá para outros formatos. A Alcon anunciou um acordo com a Titan Comics para continuar a história de 2049 em banda desenhada com o guionista do filme, Michael Green (Blade Runner 2049, Logan) e Mike Johnson (Supergirl, Earth 2: World’s End).

Não é segredo que todas as produtoras procuram estabelecer uma franchise transmedia à medida do universo Marvel ou Star Wars. Blade Runner começou a sua vida como flop comercial e depois filme de culto, mas o sucesso da sequela claramente passou a mensagem de que há um interesse renovado no mundo dos Replicants.

Lê Também: O universo fictício de Roald Dahl está a chegar à Netflix