Após quatro anos, a reedição de toda a obra de Saramago dá-se por concluída com a publicação de O Ano de 1993O Conto da Ilha Desconhecida, que chegam às livrarias a 15 de novembro, na véspera do dia de aniversário do autor.

Em 2014 os livros do Nobel da Literatura passaram a ser publicados pela Porto Editora, que ilustrou as capas com os títulos escritos com caligrafias de diferentes personalidades da literatura lusófona, como Chico Buarque, Mia Couto ou Lídia Jorge. Seguindo o mesmo registo, a capa da reedição de O Ano de 1993 vai contar com a caligrafia de José Manuel Mendes e O Conto da Ilha Desconhecida com a de António Mega Ferreira.

Fonte: Fundação Saramago

Fica a saber mais de Saramago, dos seus livros e do seu Nobel – que celebrou o mês passado 20 anos – aqui: 20 anos do Nobel de Saramago: Uma história que é preciso recordar.

O Ano de 1993 e O Conto da Ilha Desconhecida

Dois livros diferentes. Segundo a Porto EditoraO Ano de 1993 é um livro de poesia em prosa onde Saramago procura “manifestar as suas inquietações relativamente ao destino do Homem contemporâneo“. O Conto da Ilha Desconhecida como uma história “de otimismo e perserverança na concretização dos sonhos“, protagonizada por um homem que procura desesperadamente um meio de navegar até uma ilha que ninguém sabe existir.

O Ano de 1993

Fonte: Porto Editora

O Ano de 1993obra originalmente de 1975 é uma coletânea de pequenas histórias a formarem uma só, “una e intacta“. Poesia a extender-se para os limites da ficção, sem rima, fraseada e que tem como tema o futuro da própria escrita e do próprio autor. “Poemas de alerta, mas de esperança, apesar do desespero que reside no seu fundo lírico“, onde a principal tema são “as suas inquietações relativamente ao destino do homem contemporâneo“, como nos diz a Porto Editora.

O pequeno livro de poesia em prosa com 72 páginas vai estar disponível por 13,30 euros.

Deixamo-vos com um excerto da obra do nosso único Nobel da Literatura:

«O interrogatório do homem que saiu de casa depois da hora de recolher começou há quinze dias e ainda não acabou / Os inquiridores fazem uma pergunta em cada sessenta minutos vinte e quatro por dia e exigem cinquenta e nove respostas diferentes para cada uma /É um método novo / Acreditam que é impossível não estar a resposta verdadeira entre as cinquenta e nove que foram dadas/ E contam com a perspicácia do ordenador para descobrir qual delas seja e a sua ligação com as outras / (…) / O homem que saiu de casa depois da hora de recolher não dirá porque saiu /E os inquiridores não sabem que a verdade está na sexagésima resposta / Entretanto a tortura continua até que o médico declare/ Não vale a pena.»

O Conto da Ilha Desconhecida

Fonte: Bertrand

«Um homem foi bater à porta do rei e disse-lhe, Dá-me um barco.»

Situada num tempo e num espaço indeterminados, a história do homem que queria um barco para ir em busca da ilha “que ninguém sabe existir” procura retratar a história de todos os homens que lutam contra as convenções em busca dos seus sonhos e de si próprios – O Conto da Ilha Desconhecida, foi editado em 1993.

O pequeno conto, leitura recomendada para o 8.º ano de escolaridade, com 40 páginas vai estar disponível por 11 euros.

A reedição das suas obras para não esquecermos o Nobel da literatura portuguesa

Fonte: Fundação Saramago

Porto Editora é a editora responsável por esta edição das mais de 40 obras de José Saramago – que celebraria 96 anos na próxima sexta feira – e trouxe-nos os inéditos Caderno de Lanzerote – O Caderno do Ano no Nobel Alabardas, Alabardas, Espingardas, Espingardas.

Tudo para não esquecermos o autor que é o único escritor da Língua Portuguesa distinguido com um Prémio Nobel, autor que Joaquim Vieira – responsável por escrever a obra José Saramago: Rota de Vida, apresentada no dia 13 deste mês em Lisboa – considera que conquistou por mérito próprio o seu “estatuto de primordial relevo“, não só em Portugal, mas na cultura e língua portuguesa espalhadas pelo mundo.

Lê também: O que achava Fernando Pessoa de Jesus Cristo? Uma relação explorada numa antologia inédita