salto
Fotografia por: Marta Olive

Vamos à boleia com os Salto nestas “Férias em Família”

Após dois anos de gravações, eis que chega o terceiro álbum dos Salto. Férias em Família é um diário de sonhos, de quem continua a sonhar mesmo depois de estar acordado.

Este sonho faz-se de texturas orgânicas, ritmos quentes acompanhados de guitarra clássica e arranjos de cordas tocados pelo baterista Tito Romão (como por exemplo na música Ninguém Te Viu). Os sintetizadores dreamy continuam a ser uma característica (e boa) nas músicas do conjunto.

Ao longo de todo o álbum há uma sonoridade que nos acompanha, numa espécie de viagem ao lado mais introspetivo da banda, e que nos transmite uma certa tranquilidade, visível nas letras: “Rimos pr’acalmar, se isto não colar” (​Teorias) ou “Acordo e sonho a cores…” (​Rio Seco). É um sonho bom onde todos os ritmos se complementam na perfeição, resultando num trabalho coeso e agradável.

Cantar Até Cair é a música que abre o álbum. Um começo que retrata muito bem o que se vai ouvir daqui para a frente. Teorias, o segundo single que foi lançado com o respetivo videoclip, é a segunda faixa do álbum. Talvez a minha favorita. A guitarra com phasers ao longo de toda a música dá uma sonoridade muito específica (diria até típica de Salto, uma vez que no ultimo álbum também era comum o uso desse efeito) ao tema.

Os verdadeiros fãs de Salto quando chegarem ao terceiro tema do álbum irão, automaticamente, cantar. Rio Seco foi o primeiro single lançado para todas as plataformas, em maio.

Palavras para quê? É das músicas mais bem concebidas deste projeto. A melodia da guitarra, aliada aos sintetizadores, transmite a tranquilidade que povoa o álbum. E, para surpreender tudo e todos, quando se pensa que a música vai acabar, entra em cena um violoncelo que termina o tema de forma incrível e nunca antes ouvida numa música da banda.

Ninguém Te Viu é a música mais baladeira do álbum, a mais calma de todas. Se gostas de um bom conjunto de percussão a música, Só Agora Cresci é a ideal. O ritmo marcado pela bateria transporta todo o tema que leva à boleia a linda voz do Gui Tomé Ribeiro.

Dentro do mesmo estilo, guitarradas com phasers, vem a Coração Aberto. Divido esta música em dois momentos: o primeiro dá mais ênfase à lírica e o segundo, que termina a música, tem tons graves dos sintetizadores misturados com o ritmo da bateria que transmite uma sensação de calma a qualquer pessoa. A Memória de Elefante é, a meu ver, uma faixa de transição. “Transplanto a memória…”.

A oitava música deste disco, Casa de Campo, é talvez a que me deixa mais indeciso. A sonoridade e a voz mais grave dão uma sensação de misticismo ao tema. Relembra-me o álbum Lonerism, dos Tame Impala. Contudo, a música da banda portuense será sempre marcada pela nossa língua lusa, que tanto nos é querida.

Por último, temos a música Lentamente Pago Casa. Esta é aquela música que quando for tocada ao vivo irá pôr o público todo a vibrar. Termina este álbum com uns acordes de guitarra, um pouco de forma abrupta, quase a deixar já as hostilidades abertas para um próximo álbum (mas isto sou só eu a dar ideias não compatíveis com a realidade).

LÊ TAMBÉM – ENTREVISTA AOS SALTO: “É UMA MÚSICA QUE REALMENTE MARCA UMA DIFERENÇA”

Fotografia por: Marta Olive

Toda a discografia e história da banda tornam este projeto um dos mais interessantes da música atual portuguesa. O terceiro álbum veio para confirmar, com todas as certezas, que os Salto vieram para ficar. Este foi o álbum onde os quatro tiveram mais tempo a trabalhar em conjunto e isso está muito bem espelhado nas nove faixas que constituem o disco, o mais trabalhado do ponto de vista musical.

Agora é só esperar pelas datas dos concertos de apresentação. Até lá ouçam o álbum e aproveitem o que a boa música portuguesa tem para oferecer.

O álbum pode ser escutado na íntegra aqui:

Nota Final: 8.5/10

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Clint Eastwood em Imperdoável
Clint Eastwood. Cinco filmes para celebrar o aniversário do ator