Nos dias 31 de outubro e 1 de novembro, o grande auditório do Centro Cultural de Belém (CCB) receberá uma emblemática peça de Ohan Naharin, Venezuela.

Nesta peça coreográfica, o coreógrafo põe uma vez mais em evidência a qualidade técnica dos seus bailarinos com uma coreografia cujo sentido de composição estabelece uma fisicalidade extenuante, onde o ritmo e a complexidade dos movimentos criam algo inesquecível para o espetador.

Venezuela encena a conflitualidade e o diálogo entre corpos, mas também entre culturas, como muito simbolicamente os lenços brancos que surgem no início da peça se transformam, com o uso das cores, em variantes da bandeira da Palestina.

CCB

Foto: divulgação

Ao utilizar como banda sonora cantos eclesiásticos na primeira parte, com a luz a iluminar o palco e, no segundo segmento da coreografia, o rap de The Notorious B.I.G. e música árabe, Ohad remete-nos para um contexto sociocultural (e político) específico que aos olhos do coreógrafo ainda encerra sinais de esperança.

Ohan Naharin

Bailarino e coreógrafo, Ohad Naharin nasceu em 1952, em Israel.

CCB

Foto: siliconvalleyballet.org

Filho de uma bailarina e professora de dança, Naharin começou a dançar aos 22 anos. Ingressou na Batsheva Dance Company e quando Martha Graham (1894-1991) visitou Israel, convidou-o para se juntar à sua companhia de dança em Nova York. Depois de dançar para a coreógrafa dos Estados Unidos, passou ainda pela Juilliard e pela School of American Ballet.

Em 1990, foi nomeado diretor artístico da Batsheva Dance Company. Como tal, desenvolveu Gaga, uma linguagem corporal, e não uma técnica de movimento, que carateriza a dança contemporânea israelense. Esta prática resiste ainda à codificação e enfatiza a experiência somática do bailarino. 

As peças de Ohad Naharin já viajaram em digressão por alguns dos teatros mais prestigiados do mundo. Entre eles Ballet de FrankfurtOpéra National de ParisCompanhia de Dança de SydneyBallet Opera de LyonBallet GulbenkianDança da Rua Hubbard Chicago e Royal Danish Ballet.

Em 2015, Tomer Heymann estreou um documentário sobre Naharin, intitulado Mr. Gaga. O título é uma referência à linguagem criada pelo coreógrafo, explorndo a forma como esta e o coreógrafo influenciaram a Batsheva Dance Company e o mundo da dança moderna.

Naharin foi já premiado ao longo da sua carreira. Conta com o Chevalier de l’Ordre des Arts et des Lettres, atribuído pelo governo francês (1998), o Prémio Israel na área da dança (2005), assim como com o doutoramento Honoris Causa da Universidade Hebraica de Jerusalém (2009).

Quando ver Venezuela

A peça vai estar no CCB nos dias 31 de outubro e 1 de novembro. Ambas as sessões serão pelas 21h, para maiores de 12 anos. O preço dos bilhetes varia entre 7 e 33 euros.

Mais informações aqui.

LÊ TAMBÉM: OLGA RORIZ LEVA A MEIO DA NOITE AO TEATRO CAMÕES