Uma ilustração das memórias de Anne Frank espera ganhar ainda mais leitores e contar uma história que não deve ser esquecida. Anne Frank’s Diary: The Graphic Adaptation, escrito por Ari Folman e ilustrado por David Polonsky, já se encontra disponível online.

Diário de Anne Frank, uma história intemporal e dolorosamente humana

O Diário de Anne Frank é, para muita gente, uma introdução às atrocidades cometidas no Holocausto.

Uma história intemporal para ser redescoberta por cada geração, O Diário de Anne Frank é uma obra sem igual. A história de Anne Frank, quem por um tempo conseguiu sobreviver ao horror que mais marcou o mundo moderno, e que, mesmo assim, continuou triunfante e dolorosamente humana durante toda a sua provação.

Anne Frank

É pelas palavras da própria que é contado o tempo que a sua família passou a esconder-se dos Nazis depois destes terem invadido Amesterdão. Anne e a sua família viveram durante dois anos num anexo secreto, escondido atrás de uma estante de livros no edifício onde o seu pai trabalhou e com eles vivia outra família judaica.

O Diário de Anne Frank é mais do que uma nota académica sobre o holocausto. É uma memória, contada em primeira mão por uma rapariga que se está a tornar mulher. Fala-nos dos seus medos e desejos, sentimentos, sobre a pressão vem da sua família e sobre a sua visão do mundo. É um relato íntimo e pessoal de uma das maiores tragédias que assolaram a história da humanidade.

Anne Frank’s Diary: The Graphic Adaptation

Autorizado pela Anne Frank Foundation, Anne Frank’s Diary: The Graphic Adaptation é a primeira edição gráfica do diário e está recheado de extensos excertos da obra original. Conta a história de Anne Frank como se do seu próprio diário se tratasse, mas acrescenta ilustrações de cortar a respiração que adicionam camadas de significado visual à obra clássica da literatura sobre o Holocausto.

Anne Frank

Foto: divulgação

A adaptação ilustrada do texto do Diário de Anne Frank procura mostrar aos leitores o que não é explicitamente mencionado por Anne Frank, mas que se vivia em Amesterdão durante a invasão Nazi. Através das ilustrações, é mostrada aos leitores a discriminação diária que a população judaica vivia, assim como imagens da frente de guerra e de campos de concentração.

A obra de Ari Folman, ilustrada por David Polonsky, está disponível aqui,publicado pela Porto Editora, desde setembro de 2017. E já se deu a conhecer ao mundo mundo em alemão, francês, italiano, hebraico, entre outras, num total de 23 traduções.

Esta adaptação gráfica expande o mundo próprio de Anne, os seus sonhos, a sua maneira de ver o mundo, tão pessoais que quase que nos faz acreditar que as ilustrações poderiam mesmo ter sido desenhadas por ela própria.

A importância de uma adaptação gráfica

Imagens como o retrato dos judeus a viver no anexo como se não passassem de animais, o casamento hipotético de Anne com o rapaz por quem estava apaixonada ou a rapariga e a sua família a flutuar numa nuvem, enquanto o mundo inteiro ardia por debaixo deles. David Polonsky capta a essência de Anne Frank e expande a sua obra permitindo-nos conhecer ainda melhor o mundo da criança, vítima do Holocausto.

Anne Frank

Foto: divulgação

As ilustrações conseguem ser acessíveis mas sem nunca perder o extraordinário detalhe com que David Polonsky nos habituou, num livro em que todas as imagens têm uma história para contar.

Anne Frank’s Diary: The Graphic Adaptation, mesmo que não passe de uma adaptação é um livro que se entranha no leitor, capaz de o deixar a pensar. Não se trata de uma mera repetição da escrita de Anne Frank, mas antes uma forte e vibrante visualização, que toca ainda mais os corações dos leitores.

As adaptações gráficas têm essa capacidade, a de contar histórias em maneiras inteiramente diferentes, tornando-as acessíveis a audiências completamente diferentes. Este livro permite aos leitores conectarem-se ao Diário de Anne Frank de uma nova forma. Quer estejas familiarizado com a trágica história de Anne ou se é a tua primeira vez, Anne Frank’s Diary: The Graphic Adaptation promete mergulhar-te numa altura essencial da História da humanidade.

Como o mundo viu Anne Frank’s Diary: The Graphic Adaptation

“Folman e Polonsky reclamaram Anne Frank e toda a sua humanidade, e permitiram-nos assistir à sua beleza, coragem, visão e imaginação, todas as qualidades que fizeram a sua morte tão desoladora”. E ao fazê-lo o Jewish Journal considera que criaram uma “obra de arte de cortar a respiração”.

Anne Frank

Foto: Anne Frank Fonds

Para o Publishers Weekly, Folman e Polonsky captam a essência de Anne Frank “desenhada com grandes olhos escuros, que cresce como a erva de jardim mais resistente e amorosa. A beleza da vida de Anne Frank e o poder imaculado do seu legado – elevados por Folman e Polonsky – são dolorosas memórias do horror do seu destino”.

“Esta adaptação é em primeiro lugar uma lembrança de uma Anne, que, mesmo vivendo uma vida marcada por tragédia, testada por indignidades, sempre se manteve fiel a si mesma”. Para a Booklist esta é uma homenagem excecional de uma história que merece ser contada durante muitos anos e onde as ilustrações de Polonsky, “mesmo que nunca nos permitam perder a noção da história de Anne”, nos levam “para a fantasia, mostram-nos Anne a escapar do presente árduo para um futuro que nunca virá, lembrando-nos da face humana do genocídio”.

LÊ TAMBÉM: MARYSE CONDÉ: A VOZ PÓS-COLONIAL QUE VENCEU O PRÉMIO ALTERNATIVO AO NOBEL DA LITERATURA