modalisboa multiplex
ModaLisboa Multiplex/Moda Lisboa

ModaLisboa Multiplex: A forma múltipla de viver e fazer moda

Arrancou o mais reconhecido evento de moda em Portugal: a ModaLisboa. Nesta edição, ModaLisboa Multiplex, celebra-se a versatilidade da moda, nas suas várias formas de expressão, e em vários campos e atividades da indústria. São quatro dias dedicados à inovação, onde se mostra ao mundo o melhor da moda nacional.

Não recebeste convite para a ModaLisboa? Considera o Espalha-Factos o teu guia pela Lisboa Fashion Week. Para uma experiência em direto do evento, onde podes assistir aos desfiles e dar uma espreitadela nos bastidores, segue-nos no Instagram.

Happenings de moda

Às 16h, na Estufa Fria, assitimos aos happenings de 5 jovens designers, inseridos a plataforma Workstation. António Castro, Cristina Real, Filipe Augusto, João Oliveira e Tiago Loureiro apresentaram as suas propostas para a primavera/verão 2019. Todas as peças estarão à venda no Wonder Room, pop-up store de moda, acessórios e lifestyle do certame.

Cristina Real

Com os jardins da Estufa Fria como pano de fundo, nove modelos dançam, nos seus vestidos e saias esvoaçantes, e jogam o “jogo das cadeiras”, brincadeiras tão familiares da nossa infância. Apesar de ser uma coleção eclética, a designer destaca os tecidos fluidos e as transparências.

Cristina Real tenta cruzar ideias intemporais – o passado e o futuro, a natureza e a cidade – e, através da mistura de cortes e materiais, dá a cada peça uma história própria.

 

Tiago Loureiro

A apresentação do designer transmite-nos uma certa aura de jovialidade e tranquilidade, seja pelo ”jogo da cabra cega”, pelos tecidos em materiais naturais, ou pelos tons leves – branco, bege, e rosa velho – das peças.

Tiago Loureiro ainda salienta outros dois elementos na coleção: a desconstrução das peças, e a estampa com figuras simbólicas. Para a primeira, usa moldes e tecidos de determinadas peças para criar outras novas. Para as segundas, inspira-se nos pecados do mundo contemporâneo –  como o fenómeno da gentrificação nas grandes cidades portuguesas, a poluição ambiental ou os perigos das novas tecnologias – para desenhar padrões.

João Oliveira

Modelos masculinos e femininos, divertidos, jogam o ”jogo das argolas”. Mas a multiplicidade de padrões, os folhos arco-íris, e as cores vibrantes são o que realmente nos salta à vista.

Apesar de toda a azáfama da coleção, os sapatos merecem destaque. As raparigas calçam saltos altos com motivos variados, folhos e laçadas, enquanto os rapazes usam sapatos clássicos, mas em tons berrantes e padrões arrojados. João Oliveira traz-nos conjugações de tecidos, padrões, e peças diferentes daquelas a que estamos habituados – e não desilude.

António Castro

Numa experiência sensorial riquíssima, o designer transporta-nos para as ruas do Oriente, aliando as silhuetas da street fashion às cores e tecidos ricos dos trajes de indianos abastados. A maquilhagem vistosa dos modelos e a opulência das suas jóias contrastam fortemente com o modesto ”jogo da malha”, que diverte os rapazes.

António Castro, nas texturas, aposta nos materiais ricos, como o cetim, o veludo e os brocados. As transparências e bordados também não são postos de parte. Os tons jóia, tendendo para as matizes mais escuras, refletem um certo clima de mistério, mas também de exuberância.

Filipe Augusto

A apresentação do jovem designer lembra-nos as donas de casa norte-americanas dos anos 50, ou os bonecos Ken com os quais brincávamos quando éramos novos. De aventais e lenços ao pescoço, mas também de cabelos com efeito molhado e repartidos ao meio, os modelos jogam ao ”jogo do sério”.
Predominam as cores pastel e, no campo dos padrões, o xadrez e os motivos florais. As camisolas com aberturas nas costas, as luvas de malha metálica e as meias tie dye fazem desta coleção uma coletânea de combinações improváveis.

Fast Talks: Street x Fashion

A Estufa Fria foi também o palco das conferências Fast Talks, onde especialistas da área debatem as principais questões da indústria da moda na atualidade.

Esta edição dedicou-se ao tema Street x FashionGert Van de Keuken (diretor criativo do Estúdio Edelkoort e colaborador da Trend Union), Raimo Diehl e Anton Zamiatine (representantes da FILA Europa), Adam Katz Sinding (fotógrafo), Pedro Lima (diretor criativo na Partners e fundador do grupo Sneakers Love Portugal) e Namalimba Coelho (assessora de comunicação do Museu Coleção Berardo) debateram sobre a influência do streetwear no design de moda, numa conversa moderada por Joana Barrios.

”É a moda que vai das passerelles para a rua, ou é a rua que traz a moda para as coleções dos grandes designers?”

De forma geral, os oradores partilhavam a visão de que a roupa que vestimos no dia-a-dia se pode traduzir numa forma de poder. Acreditam que a streetwear é, então, capaz de criar movimentos – políticos, artísticos, entre outros -, mas também identidades e narrativas pessoais.

Na mesma linha, uma temática que dominou o debate foi a da morte da expressão da individualidade e do estilo próprio. Discutiu-se a obediência cega às tendências e aos must-haves – fomentada por influencers patrocinados por marcas nas redes sociais -, e a possibilidade do aumento do desinteresse pelo street style, pela sua falta de autenticidade. Podes assistir às Fast Talks, na íntegra, aqui.

Mais Artigos
Ver p'ra Crer TVI
‘Ver p’ra Crer’. TVI repete concurso para subir às 18h