Os fãs de La Casa de Papel foram à loucura com as notícias de que uma nova série espanhola estava a chegar à Netflix. Elite estreou no dia 5 de outubro e é a segunda produção original saída de Espanha diretamente para a plataforma de streaming.

Nas redes sociais, o drama já está a dar que falar. Será que Elite tem o que é preciso para se tornar numa nova La Casa de Papel?

O texto em baixo contém pequenos spoilers sobre toda a temporada de Elite e, ainda, de outras séries.

Um dos protagonistas está coberto de sangue em frente à piscina da escola, dizendo ser inocente. Alguém morreu, mas quem? Assim são os primeiros segundos de Elite, que adivinham o mistério que se vai adensar nos episódios seguintes.

A trama decorre no colégio Las Encinas, onde os filhos das camadas mais ricas em Espanha estudam. Este mundo aparentemente perfeito, uma bolha em que a elite apenas convive com a elite e os excessos fazem parte da rotina de cada jovem, é abalado quando Samuel, Christian, e Nadia, três jovens de classe média, entram no colégio com uma bolsa de estudo, ganha depois da sua escola ter sido destruída.

Este choque de classes resulta num misterioso assassinato que mexe com a vida no colégio. Assim, descobrir quem está por trás do crime torna-se o objetivo principal. Cria-se um ambiente desconfortável entre os novos alunos e os veteranos da escola, que trazem à tona os demónios que assombram um mundo aparentemente perfeito.

O drama aborda temáticas atuais e ainda pouco exploradas em séries do género, como a religião, o HIV, o tráfico de drogas, poligamia, voyeurismo e outros tema tabu, bem como as consequências do choque de classes para quem vive alienado do mundo real. Um retrato da juventude atual que soa como uma telenovela juvenil, com um toque de modernidade.

No elenco estão presentes caras conhecidas dos fãs de uma outra série de sucesso distribuída pela NetflixLa Casa de Papel — uma das principais razões para toda a expectativa com Elite. Miguel Herrán, Jaime Menéndez Lorente e María Pedraza (RioDenver e Alison Parker, respetivamente) juntam-se a outros rostos notáveis da ficção espanhola, como Itzan Escamilla (Las Chicas del Cable, El Ministerio del Tempo), Álvaro Rico (Velvet Collection) e Mina El Hammani (El Príncipe).

As críticas falam por si

hype parecia tanto que já haviam rumores de uma possível segunda temporada mesmo antes da primeira estrear. A verdade é que, dias depois da estreia, as reviews oficiais de críticos a Elite são escassas. As que existem, dividem-se entre pontos positivos e negativos.

De acordo com o Bustle e a Teen Vogue, Elite pode ser considerada quase como uma colagem de várias outras séries de sucesso a nível de enredo. A série é múltiplas vezes comparada a uma versão própria de Gossip Girl misturada com Riverdale. Há ainda referências a pontos comuns com Big Little Lies ou, mais nitidamente, Pretty Little Liars, puxando até os cordéis a um mistério ao estilo de How To Get Away With Murder.

Vogue descreve esta “novela juvenil europeia” como uma “obsessão vulgar“. Taylor Antrim, crítica da publicação, ressalta que o mistério não traz nada de novo, explicando que a produção segue o exemplo de outras europeias que agarram nos elementos já conhecidos e os trazem à luz num cenário novo e diferente do mostrado nas grandes produções norte-americanas.

Se fosse uma série [americana] da CW, provavelmente não perderia tempo. Mas uma escola espanhola é uma sedutora terra incógnita.

A crítica afirma que, uma hora depois de começar o episódio (duração aproximada de cada), “não me interessa verdadeiramente quem o fez. Apesar disso, estou aqui para Elite. É digerida como um copo frio de vinho verde.”

Élite

(Fotografia: Manuel Fernandez-Valdes/Netflix)

Já o Sunday Express acha que, apesar de “extremamente bem feita,” Elite peca por estar “demasiado carregada com problemas a nível dos personagens.” Apesar da exposição de questões sociais nas vidas de cada um dos jovens dever “ser aplaudida“, tudo se torna “demasiado em pouco tempo.” Além disso, a opinião da publicação britânica refere ainda que alguns dos problemas explorados nos episódios iniciais acabam por ser ofuscados pelo crescente mistério em torno do assassinato.

Lê também: Produtor de La Casa de Papel Netflix assinam acordo de exclusividade

Enquanto os oito episódios estão “carregados de exposição e explicação, deixando a série parecer um pouco apressada“, não dando espaço aos personagens para ponderar as suas decisões, a produção “está no seu melhor durante os momentos de alta tensão que envolvem todo o elenco.”

A versão em espanhol do CNET diz que Elite se aproveita dos estereótipos das séries adolescentes do género, por exemplo no que toca à dicotomia alunos ricos/alunos pobres. “Em Elite quase não há nuances, uma vez que a trama se apoia em estereótipos de um filme de adolescentes dos anos 80O único elemento fresco envolve a família palestiniana de Nadia […] que tem um irmão, Omar, que vende drogas e é homossexual.”

Os espetadores parecem estar a gostar

Ao contrário das (poucas) opiniões críticas, a opinião dos espetadores parece ser, no geral, um pouco mais positiva. No Rotten Tomatoes, um dos mais conhecidos portais que agrega críticas oficiais e de audiência, 92% dos espetadores gostaram da série — embora a amostra seja composta por apenas 18 utilizadores do website até à data de elaboração deste artigo; a nota média é de 4.4/5.

Elite

(Fotografia: Manuel Fernandez-Valdes/Netflix)

No IMDB, os utilizadores, no geral, tratam bem a trama da produção espanhola, com uma das reviews a dizer que “Elite convence com um bom balanço entre sentimentos reprimidos, intrigas e melodrama juvenil.” “Se procuram uma boa história com eventos ‘reais’, esta é a série certa“, diz outra das opiniões a uma série que é descrita como ótima para fazer binge-watch e “não apenas para a audiência mais jovem.”

Mas nem todas as opiniões são positivas. As críticas menos boas a Elite descrevem-na como “abaixo das expectativas” e “demasiado sobrevalorizada. Os atores são bonitos mas a história tem falta de substância“. Também são feitas apreciações negativas ao diálogo entre personagens, descrito como “pomposo“, e atores com “prestações uniformes,” que fazem desta “não a pior série que já vi, mas certamente não a melhor“.

Lê também: Cinco séries europeias que podem ser a próxima La Casa de Papel

Se as comparações entre Elite e outras séries já eram feitas em críticas, a audiência notou um novo ponto semelhante. Nas opiniões do IMDB e nas caixas de discussão de aplicações dedicadas a séries, como é o caso do TVShow Time, a série é também comparada à segunda temporada de 13 Reasons Why.

O apontar de semelhanças com este outro original da Netflix surge devido à estrutura, que se guia pelo julgamento de um personagem por episódio e com recurso a flashbacks para mostrar o que realmente aconteceu.

O que se tweeta sobre Elite?

As reações nas redes sociais vêm, na sua maioria, dos espetadores mais jovens. Através do Twitter, os fãs da nova série da Netflix, e dos atores que transitam de La Casa de Papel, falam sobre os momentos mais memoráveis de Elite.

Além dos habituais ships (casais fictícios), que já realizam entre os personagens da série, não faltam os memes e os gifs que descrevem o sentimento depois de terminar os oito episódios.