Escassos meses após a estreia do drama The Miseducation of Cameron Post (2018), Desiree Akhavan é alvo de novos aplausos pelo lançamento de outro projeto. Enquanto protagonista, guionista e diretora de The Bisexual, Akhavan volta a abordar os tabus e constrangimentos sociais em torno da bissexualidade, no formato de série.

Com estreia agendada para dia dez de outubro às 22h no Reino Unido, é através do Channel 4, e da Hulu nos EUA (ainda sem data de estreia anunciada), que será contada a história de Leila (Desiree Akhavan): uma “nova-iorquina perdida em Londres”, onde se vê confrontada com a ambiguidade em torno da sua bissexualidade.

Lê Também: Dez livros para celebrar o mês do Orgulho LGBT+

Lançado esta quarta-feira (24), o trailer da comédia-drama preconiza pequenos momentos do seu enredo, enquanto retrato fiel da diferença entre relacionamentos com homens e mulheres, sob a perspetiva de uma personagem que vivencia ambas as realidades.

Após dez anos, Leila vê chegar ao fim a sua relação amorosa com Sadie (Maxine Peake), sua companheira e sócia de empresa. Ao mudar de apartamento, a protagonista vê a sua vida tomar um novo rumo quando conhece o seu novo colega de casa — Gabe (Brian Gleeson), um romancista neurótico outrora bem-sucedido e cuja única colega de casa foi a sua mãe.

É com a ajuda de Gabe que esta nova-iorquina passa a deambular pela cidade de Londres com um novo acrescento à sua sexualidade: figuras masculinas. Vemos então Leila a entrar numa espiral repleta de encontros com homens e mulheres. Atrelado a esta mudança, surge assim o sentimento agridoce de se assumir como bissexual perante a sua melhor-amiga Deniz (Saskia Chana) e restantes amigos.

Sob o formato de comédia, é ao longo deste enredo que nos surge um retrato pronto a provocar o riso. The Bisexual propõe assim uma visão nua e crua deste “último tabu” — a bissexualidade — bem como todos os preconceitos, equívocos e estigmas que o cercam.

O ‘desmistificar’ da bissexualidade

Ao escreverem The Bisexual, Desiree Akhavan e Cecilia Frugiuele voltam a trabalhar juntas numa abordagem semelhante à de projetos anteriores, como Appropriate Behavior (2015).

As argumentistas apostam na denúncia e reflexão dos preconceitos que ainda assolam a comunidade LGBT+. Akhavan e Frugiuele passam então a esculpir esses mesmos estereótipos da bissexualidade, para posteriormente desfazê-los e humanizá-los através da comédia. É o caso de uma das falas de Leila, quando afirma que “a bissexualidade é um mito: foi criada por executivos de marketing para vender vodka com sabores”.


O humor é o principal mecanismo de crítica da série, que denuncia a visão redutora dos bissexuais enquanto “mito”, associado a indivíduos meramente indecisos ou confusos. (Fonte: Digital Spy)

Defensora e ativista das comunidades queer e LGBT, Akhavan revela a sua fonte de inspiração na escrita e produção de The Bisexual. Em entrevista ao Channel 4, a atriz iraniano-americana esclarece o seu cunho pessoal inscrito na série: “O trama não é autobiográfico. Nunca me identifiquei como lésbica, e desde o início que me assumi bissexual, mas as personagens são inspiradas nas pessoas que a Cecilia e eu conhecemos e amamos(…). “É um olhar sobre Londres e particularmente sobre Hackney, tal como a conhecemos”, acrescenta ainda.

De acordo com o press release emitido esta terça-feira (25) pelo Channel 4, toda a temporada da série estará disponível para transmissão online ou download. Após a estreia do primeiro episódio, este serviço de streaming será assegurado pela plataforma All 4.