O Pilar 7 é a experiência sensorial e interpretativa que te leva a 80 metros de altura para ver a vista sobre Lisboa e o Tejo. Hoje a viagem pelo elevador no Pilar 7 pode ser feita ao luar e sem pagar.

A Ponte 25 de Abril deixou de ser apenas a passagem de uma margem para a outra. Amanhã faz precisamente um ano desde a abertura do Pilar 7.

Para comemorar, nada melhor do que uma noite de Lua cheia. Por isso mesmo, em vez de fechar às 20h, o Pilar 7 vai estender as visitas até à meia noite. Na compra de um bilhete – que custa 6 euros – tens oferta de outro.

O Pilar fulcral da Ponte – o mais importante dos 14 existentes – é uma experiência diferente desde o exterior, até ao seu interior. Lá dentro, é possível conhecer a História da sua construção e subir até ao miradouro.

Antes de chegar ao topo, podes começar por conhecer a maqueta original da ponte: a primeira sala do percurso pelo Pilar.

A sala seguinte é a Sala dos Trabalhadores. Aqui a experiência ganha uma outra dimensão. Através de meios multimédia, vais ouvir marteladas e sons metálicos que chegam a vibrar debaixo dos pés.

De seguida, vais sentir que estás debaixo de água para conhecer o ponto a partir do qual a ponte começou a ser edificada. Se aqui a sensação de estar imerso é desafiante para claustrofóbicos, o próximo ponto é desafiante para vertiginosos.

Os visitantes sobem uma escada suspensa cuja profundidade é uma ilusão criada por espelhos no chão e no tecto. Vale a pena subir os degraus, porque a escada vai dar a um passadiço – a 10,72 metros de altura – que leva até ao elevador. Este vai-te conduzir ao último ponto: o miradouro, mesmo ao lado do tabuleiro rodoviário da ponte.

O percurso, apesar de parecer desafiante devido às experiências sensoriais, não foi impedimento para o sucesso. Cerca de 87 mil pessoas já visitaram a Experiência Pilar 7 – Centro Interpretativo da Ponte 25 de Abril.

Amanhã, além de ser uma ocasião especial, é uma oportunidade para aproveitares as noites quentes e ter uma outra perspectiva de Lisboa.

Se já conheces de cor a vista pela janela do comboio ou pela janela do carro (ao som do ruído da grelha metálica do tabuleiro rodoviário), agora há uma outra forma de apreciar a capital.