É já esta sexta-feira (28) que poderás encontrar nas bancas os retratos de Alfredo Cunha, o conhecido fotojornalista português. Perto de celebrar 50 anos de carreira, a Tinta da China decidiu editar Retratos 1970-2018. Uma compilação dos mais conhecidos e melhores retratos do fotógrafo que gostava de capturar rostos, e nada mais.

Em todo o espólio que é conhecido até hoje de Alfredo Cunha, diz quem conhece que é raro encontrar uma fotografia que não seja um retrato. A imagem de marca de Alfredo sempre foram os rostos: seja de personalidades conhecidas ou de anónimos.

Facto indiscutível é que o seu retrato mais famoso até hoje é o de Salgueiro Maia, no ano de 1974 na revolução dos cravos. Nessa altura, Alfredo Cunha trabalhava para o jornalO Século e tinha pouco mais de 20 anos.

Fonte: publico.pt

Fonte: observador.pt

Fonte: publico.pt

Desde 74 que Alfredo Cunha nunca mais parou de retratar em fotografia, da melhor maneira que sabia, a essência do rosto humano. É por isso que esta sexta-feira vai ser editado “Retratos 1970-2018”, com uma série de retratos do fotógrafo durante estes anos.

No posfácio do livro (Autobiografia imaginária), editado este domingo no jornal Público, o escritor Valter Hugo Mãe relembra o momento em que ele foi capturado pela lente de Alfredo Cunha. “Somos fotografados pelo Alfredo Cunha como provas do tempo. Não enfrentamos a sua câmara sem respeito”, diz o escritor acrescentando “Perante as fotografias de Alfredo Cunha, fica-nos a vontade urgente de amar”.

Fonte: Fnac

David Mourão- Ferreira, Vasco Gonçalves, Agustina Bessa-Luís, Cristiano Ronaldo, Pinto da Costa, Zé Pedro ou António Lobo Antunes, são alguns dos retratos incluídos na obra, já disponível em pré-venda.

O livro vai ainda ser apresentado pela editora e o autor no dia 1 de outubro na Sociedade Portuguesa de Autores, Lisboa.