Depois da saída de Danny Boyle da cadeira de realizador na produção de Bond 25 por divergências artísticas, foi anunciado, através do Twitter, o cineasta que vai levar avante o próximo filme do agente secreto 007: Cary Joji Fukunaga. Foi ainda adiantada a data de estreia mundial, que tinha sido adiada, e passa a ser 20 de fevereiro de 2020, bem como a do começo da produção, que arranca já em março próximo (dia 4) nos Pinewood Studios, em Londres.

Estamos deliciados por estar a trabalhar com o Cary [Joji Fukunaga]“, realçaram Barbara Brocolli e Michael G. Wilson, produtores da sequela, num comunicado na mesma rede social. “A sua versatilidade e inovação fazem dele uma excelente escolha para a próxima aventura de James Bond“, insistiram.

Cary Joji Fukunaga passa, assim, a ser o primeiro realizador americano a dirigir o agente secreto mais famoso do cinema, pela quinta vez protagonizado por Daniel Craig, que também produz o filme. Ao site IndieWire, o cineasta quebrou o silêncio sobre o novo desafio, que surge depois de realizar, em 2015, a produção bélica da plataforma de streaming Netflix Beasts of No Nation:

Tenho querido fazer um destes [filmes de James Bond] por muito tempo, portanto isso não é novidade. Então por agora é só lidar com o choque de que é real e a honra obviamente e a responsabilidade“, confessou o realizador.

Cary Joji Fukunaga enfrenta agora aquele que é talvez o seu maior desafio até à data, depois de ter realizado a aclamada e nomeada a Oscar adaptação de 2011 do romance Jane Eyre (1847), de Charlotte Brontë, com Mia Wasikowska e Michael Fassbender, e o primeiro filme original da Netflix, acima referido e com semelhante distinção.