Évora, Ebora, ou Liberalitas Julia (em homenagem a Júlio César), encerra em si uma história com mais de 20 séculos. Edificou-se pelas mãos de muitos povos, entre os quais celtas, romanos, visigodos e muçulmanos; ergueram-se nela não só termas e monumentos megalíticos que ainda conserva mas também palácios, casas senhoriais, conventos e igrejas. Mas uma cidade e o espírito que ela integra são muito mais que factos históricos. E, se estás a ler isto, é porque, muito provavelmente, te preparas para começar a viver em Évora, na especial condição de estudante universitário.

Prepara-te para o clima desértico que aquece os dias e enregela as noites, para ruas ora preenchidas ora desertas, para um ambiente de vizinhança onde são poucas as caras desconhecidas mas, acima de tudo, para três anos que serão certamente inesquecíveis. Abaixo podes encontrar sugestões de sítios que te ajudarão a conhecer algum património histórico da bela Ebora, o roteiro incontornável da vida noturna de um estudante universitário e alguns locais particularmente calmos para as tardes de estudo, a fim de evitar o tão indesejado recurso.

Para visitar e passear:

Praça do Giraldo

Foi construída em 1571/1573, é símbolo de homenagem a Geraldo Geraldes , o “sem pavor”, graças à conquista da cidade aos mouros em 1167 e, dizem os que moram por cá, todos os caminhos da cidade vão dar a ela. É sem dúvida o coração de Évora. É nela que se situa a Igreja de Santo Antão, o Banco de Portugal, várias esplanadas, e serviços de comércio que se prolongam pelo Rua 5 de outubro. Recebe os grandes eventos culturais da cidade e aquele que é provavelmente o ponto de encontro da maior parte dos estudantes antes de uma saída à noite: uma fonte em mármore com uma coroa no cimo e cujas 8 bicas remetem para as 8 ruas que desembocam na praça.

Praça do Giraldo

 

Sé Catedral

Basílica Sé de Nossa Senhora da Assunção ou simplesmente Sé de Évora, é um dos pontos incontornáveis da história da cidade, seja para visitantes e turistas, seja para novos estudantes. Situa-se perpendicularmente ao Museu de Évora, perto do Templo Romano e é a maior catedral medieval do país. Foi concluída apenas no século XIII, em 1205, quase um século após o início da sua construção. É um imponente edifício em granito, que assinala a transição do estilo românico para o estilo gótico e no interior do qual se pode visitar também o Museu de Arte Sacra, o Claustro, e a Torre, que oferece uma vista panorâmica sobre a cidade.

 

Templo Romano e Jardim de Diana

Declarado Património Mundial pela UNESCO, é provavelmente o maior ícone da cidade e certamente não faltam frigoríficos pelo mundo que ilustrem a sua arquitetura romana. Foi construído no século I naquele que é hoje o Largo do Conde Vila Flor, sendo que as ruínas que vemos hoje são o que permaneceu do Templo após a destruição da cidade aquando das invasões germânicas no século V. No passado, foi erguido em homenagem ao Imperador Augusto; hoje em dia é o cenário de fundo da fotografia de curso das centenas de estudantes que pela cidade passam. A complementar os pontos de interesse da cidade, encontra-se junto ao Templo o Jardim Diana aka Jardim dos Namorados. É de facto o sitio perfeito para uma declaração de amor, com direito a uma vista excecional sobre a cidade e a planície Alentejana.

Templo Romano e Jardim de Diana

Palácio D. Manuel e Jardim Público

É o que resta atualmente do Paço Real de S. Francisco. Mandado construir por Afonso V, o edifício de estilo manuelino passou por uma série de transformações ao longo dos séculos XV e XX. Desde a sua destruição a mando de Felipe III, a reconstruções, a ter sido o palco de Gil Vicente em sete dos seus autos, à sua adaptação para Teatro Eborense e a um incêndio já no século XX, é um lugar que transpira história e mistério. A circundá-lo encontra-se o Jardim Público, construído bem mais tarde, no século XIX. Dispõe de um café muito procurado pelos estudantes nas tardes de sol e de vários espaços de relva junto ao lago, ideais para descontrair depois de um dia de aulas.

Teatro Garcia de Resende

Faz parte da Rota Europeia de Teatros Históricos e não é para menos. Inaugurado em 1892, é considerado um dos “teatros à italiana” em Portugal. Deve o seu nome ao poeta e escritor eborense Garcia de Resende, autor da primeira coletânea de poesia impressa em Portugal, o Cancioneiro Geral. Depois de passar por diversas mãos após a morte do seu proprietário ,José Ramalho Perdigão, e até de ter sido utilizado como um depósito de lixo até ao 25 de Abril, tornou-se um Teatro reconhecido. Atualmente pertence à CME, sendo o CENDREV(Centro Dramático de Évora) a Companhia de Teatro residente. Quase sempre com pelo menos uma peça em cena, tem bilhetes a preços bastante acessíveis para estudantes. No entanto ,para os que preferem Cinema, existem sempre boas opções no Auditório Soror Mariana ou no Cinema do Évora Plaza.

Camarotes do Teatro Garcia de Resende

Alto de S. Bento

Perfeito para aquele date romântico ao pôr do sol ou simplesmente para descontrair com amigos, o Alto de S. Bento oferece uma vista privilegiada para a cidade, funcionando como um miradouro. Com moinhos onde se desenvolvem algumas atividades para as escolas (pertencentes ao Núcleo Museológico do Alto de S. Bento) e trilhos para os adeptos de caminhadas, à noite é terreno ora dos apaixonados ora dos que preferem ficar apenas por uma boa conversa.

Alto de S.Bento

Para desfrutar da vida académica:

Praxis Club

Provavelmente o fim de noite de muitos universitários, a Praxis é a única discoteca da cidade e é nela que acontecem guerras de cursos e outras festas temáticas ao longo de todo o ano letivo. Podes contar com duas pistas de dança (embora uma seja significativamente mais concorrida) e uma esplanada para refrescar do calor humano que se faz sentir no interior da discoteca.

 

Capítulo 8

É, talvez depois da praxis, outro ponto incontornável da noite de Évora, e que agrada principalmente aos estudantes de Erasmus. Ao descer as escadas da sala de entrada onde se encontra o bar, é possível chegar a uma pista de dança feita a partir de um poço antigo. Com uma hora de fecho que se alarga até às 6h, é um sitio onde podes encontrar noites temáticas todas as semanas, ao longo do semestre.

 

6Tetos

Localizado na Travessa dos Oleiros, é um dos sítios preferidos dos universitários. Mesas forradas a imperiais, vozes que se erguem ao sabor do álcool e, ponto fraco, uma nuvem de fumo constante, constroem o cenário característico do 6Tetos. Por outro lado, tem 6 mesas de snooker, três mesas de matraquilhos, outras tantas de alvos de dardos e ainda dois ecrãs para os dias de jogo.

 

Aqui Há Gato

Pequeno, acolhedor e económico são talvez os principais motivos que levam tantos universitários ao “Gato”, na Rua do Calvário. Mas certamente o que os torna clientes fiéis é um ambiente underground à moda de um pub inglês. A não perder, com “canhas “a 0.50 euros e shots a 1 euro.

 

Sociedade Harmonia Eborense

Fundada em 1849 e localizada no coração da cidade (precisamente na Praça do Giraldo) a SHE é uma associação sem fins lucrativos e que se revelou um importante espaço de dinamização cultural, até com algumas nuances políticas. Tem, sem dúvida, uma oferta cultural mais alternativa com ciclos de cinema às segundas feiras, Jamsessions ás quartas, Djs às sextas e concertos ao sábado. Para além de uma oferta cultural variada, tem ainda uma sala com sofás para descontrair, uma esplanada, uma sala de bilhar, dardos e matraquilhos. O antigo palacete abre as portas a sócios temporários e permanentes durante todo o ano, sendo que os primeiros têm um custo de 3 euros mensais.

 

Bar do Túnel

Situado na Alcarcova de Baixo, junto ao Café Estrela D’Ouro, e com uma agradável esplanada é muitas vezes o sitio escolhido pelos universitários para desfrutar de uma imperial ao final da tarde. Para além de bar, funciona como restaurante e tem frequentemente música ao vivo aos Sábados.

Para estudar:

Biblioteca Pública

Fundada em 1805 pelo arcebispo D. Frei Manuel do Cenáculo, é a mais antiga Biblioteca Pública do País. Localiza-se junto ao Templo Romano e ao Palácio de Cadaval e encerra mais de duzentos anos de história. Um espaço amplo com paredes forradas a livros antigos  e grandes janelas com vista para o centro histórico tornam-na um sítio sossegado e acolhedor para as longas tardes de estudo que antecedem os exames. E mais importante: tem WI-FI grátis.

Sala Principal da Biblioteca

 

Cafetaria da Fundação Eugénio de Almeida

Criada em 1963 por Vasco Maria Eugénio de Almeida, a Fundação Eugénio de Almeida (FEA) tem sido um motor importante no desenvolvimento económico, social e cultural da região de Évora. Para além da Adega Cartuxa e do Fórum (localizado junto ao Templo Romano) que promove exposições e eventos culturais, é ainda possível encontrar, nas proximidades, o Paço de S. Miguel. Construído perto das traseiras da Biblioteca Pública, encerra uma pequena e pacata Cafetaria. É provavelmente uma das esplanadas mais sossegadas da cidade e tem ainda uma excelente vista panorâmica sobre o extenso montado alentejano. Ideal para apreciar durante as pausas no estudo.

Cafetaria FEA

Café Estrela d’Ouro

Tem dezenas de anos de existência, atravessou uma boa parte do século XX e, apesar de alguns anos de encerramento e de outros como um banco, reabriu há alguns anos como Café e Bar. Apesar de o Bar noturno ser um tanto ao quanto concorrido pelos estudantes, a zona do café é geralmente tranquila durante a tarde. A WI-FI grátis e grandes tostas à distância de um pedido, tornam-no um sitio agradável para uma tarde de estudo em grupo.