Acontece a 7 e 8 de setembro uma nova edição do Há Vida no Bairro, em Alvalade. Promovido pela Junta de Freguesia de Alvalade, o evento recebe pela primeira vez este ano o Alvalade Dance Street Fest. Nele vão marcar presença vários grupos de dança profissionais e emergentes, trazendo diferentes estilos de dança aos vários pontos da freguesia.

Desde dança, música, teatro, a tatuagens temporárias e promoções em várias lojas do centro comercial, o programa do Há Vida no Bairro é vasto e vai certamente contagiar os espaços e as pessoas que pela freguesia passarem nos dois dias em que decorre o festival.

O ponto de partida é precisamente o Centro Comercial de Alvalade. Pelas 14h do dia 7, já na próxima sexta-feira, é possível assistir a street dance pela Klassik, na zona das esplanadas. Nesse dia, seguem-se mais atuações de danças urbanas, na Avenida da Igreja (16h) e na Praça de Alvalade (18h), junto à saída do Metro. No dia 8, sábado, as atuações começam logo pela manhã na Praça de Alvalade (10h) e estendem-se ao longo do dia pela Avenida de Roma, Mercado de Alvalade e outros.

Há Vida no Bairro

Foto: divulgação

Para ver, além da street dance

Para além dos momentos performativos do festival, este recebe ainda uma feira de produtos da região de Tomar, com o apoio da Casa do Concelho de Tomar, na Avenida de Roma. A juntar-se a ela, vão decorrer também atividades promovidas pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil e pelo Museu Bordalo Pinheiro.

Há Vida no Bairro

Foto: divulgação

Outro parceiro desta iniciativa é o Grupo de Teatro Terapêutico, que funciona no Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa e que contribui para a programação do festival com a apresentação de um excerto da peça Casulo, no dia 8 de setembro, no Mercado de Alvalade.

O Há Vida no Bairro é uma iniciativa que conta apenas ainda com duas edições, mas que tem vindo a cumprir o propósito de renovar a vida da freguesia e de aproximar as danças urbanas da comunidade.

Podes consultar a programação completa do festival aqui.

LÊ TAMBÉM: COLISEU PORTO AGEAS: O QUE NOS TRAZ NA RENTRÉE?