Mudança de hora: Europa quer o fim da hora de inverno

Depois da consulta pública feita à população europeia, Jean Claude Juncker garantiu que pretende terminar com a mudança de hora, em declarações à televisão pública alemã ZDF.

Na consulta pública, que a Comissão Europeia lançou online em julho, participaram quase cinco milhões de cidadãos europeus e os resultados foram claros: 80% são a favor do fim da mudança de hora e desejam que a hora de verão seja mantida durante todo o ano.

Lê também: É agora que acaba a mudança da hora?

A proposta vai ser feita, esta sexta-feira (31), pela Comissão Europeia e terá de ser aprovada pelo Parlamento Europeu, chefes de Estado e governo da União.

Todos os estados-membros mudam a hora dos relógios duas vezes por ano. Fora da União Europeia, são conhecidos casos como o da Turquia e da Islândia, que já aboliram a prática, ou ainda de Israel, que não tinha mudança da hora e passou a ter.

Como surgiu a ideia da mudança de hora?

Aconteceu pela primeira vez a 30 de abril de 1916, em plena Primeira Guerra Mundial. O objetivo era minimizar o uso de iluminação artificial, e, consequentemente, economizar combustível para o esforço de guerra.

A Alemanha foi a primeira a mudar a hora, em 1916. Portugal adotou a mudança nesse mesmo ano.

Faz sentido continuar com a mudança de hora?

Hoje em dia, a prática permanece não por uma questão de necessidade económica, mas sim pela comodidade da população. Os dias com mais sol são maiores e os dias em que o tempo é menos brilhante são mais curtos.

E se a proposta for aprovada?

Para Portugal as vantagens vão ser poucas, segundo o diretor do Observatório Astronómico de Lisboa, Rui Agostinho. Em Portugal, as implicações vão ser sentidas entre meados de novembro e meados de fevereiro. “O sol vai nascer por volta das 9h da manhã“, explica em entrevista à TSF. Opinião diferente tem Teresa Paiva, neurologista e especialista em sono, que defende que “devemos estar sempre tão perto quanto possível da hora solar” e para quem há “mais vantagens do que inconvenientes” em acabar com a hora de inverno.

Toda a movimentação de massa que existe de deslocação para os empregos e para as escolas é feita ainda com estrelas no céu. Ou seja, às 7h/7h30, o corpo não está naturalmente a querer acordar. As pessoas irão conduzir para o trânsito ainda meio adormecidas, as crianças entram na escola e não dá para fazer começar a fazer aprendizagem porque o corpo ainda quer repouso“, sublinha Rui Agostinho.

Joaquim Moita, especialista em medicina do sono, em declarações à Lusa, defende que o fim da hora de inverno poderá ser prejudicial sobretudo para as crianças.

O resultado não será benéfico e o desempenho cognitivo e físico podem ficar comprometidos. As crianças e os adolescentes já deviam ir bem acordados para a escola e, para acordar bem, o cérebro precisa de exposição ao sol, à luz solar“, explica.

Teresa Paiva contrapõe, também em declarações à rádio informativa, e sublinha que “a mudança de hora já não se justifica, uma vez que a medida teve como origem a poupança energética. Agora as pessoas usam a eletricidade durante o dia muito mais que antes… Já não há uma grande diferença entre as horas da manhã e da noite. As pessoas estão sempre a trabalhar ou a fazer alguma coisa“.

Até agora, todos os anos, no último domingo de outubro os relógios atrasavam 60 minutos. Em março, voltavam a adiantar uma hora. Talvez em 2018 tenha sido a última vez.

 

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Esta Manhã TVI
‘Esta Manhã’ chega para juntar “frescura” à informação “mais relevante”