Foto: Divulgação

“Dora, a Exploradora”: Eva Longoria junta-se ao elenco

A atriz Eva Longoria é a mais recente confirmação no elenco de Dora, a Exploradora. A “dona de casa desesperada” vai interpretar a mãe da protagonista no filme da Paramount. Esta informação foi revelada pelo site The Hollywood Reporter.

O live-action, realizado por James Bobin (Alice Através do Espelho, 2016), conta a história da menina aventureira que todos conhecemos. Dora, interpretada por Isabela Moner, passou a maior parte da sua vida a explorar a floresta com os pais. Desta vez, a sua mais perigosa aventura será o ensino secundário.

No guião de Nick Stoller (Os Marretas, 2011), Dora vê-se a liderar Boots (a sua melhor amiga), Diego e um grupo de adolescentes numa aventura. O objetivo é salvar os seus pais ao mesmo tempo que resolve o mistério impossível por detrás de uma civilização inca perdida.

Dora, a exploradora animação / Foto: divulgação

As filmagens já começaram e estão a decorrer na Austrália. Contudo, o elenco não para de aumentar e Eva é o novo reforço do filme inspirado na série de TV Nickelodeon. A sua personagem contracena com a estrela Isabela Moner. A estas duas atrizes juntam-se, até agora, Eugenio Derbez, Micke Moreno, Nicholas Coombe, Madeleine Madden, Adriana Barraza e Temuera Morrison.

Depois de oito temporadas de Donas de Casa Desesperadas, Eva Longoria tornou-se uma força na produção de programas de televisão. A prova é o novo drama da ABC, Grand Hotel cuja produtora executiva é a atriz americana.

Para além da televisão, Eva é um nome bastante presente nos grandes ecrãs. A Voz de uma Geração (2013), Overboard (2018) e, mais recentemente Dog Days (2018) são alguns dos filmes em que podemos ver a atriz.

Eva Longoria estará nos cinemas como Elena, em Dora, a Exploradora , dia 2 de agosto de 2019.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Discurso de ódio
Podcast. Monitorizar discurso de ódio ou censurar liberdade de expressão?