O Palácio Nacional de Mafra abre portas a José Saramago e a umas das suas mais emblemáticas obras – Memorial do Convento – num espetáculo de dança contemporânea que revive e reinterpreta a obra nos segundos sábados de cada mês até novembro.

A Amálgama Companhia de Dança, em colaboração com o Palácio Nacional de Mafra e o Palácio dos Marqueses – Universidade dos Valores, cria BLIMUNDA SETE LUAS. O espetáculo, dançado no feminino, oferece ao espetador um novo olhar sobre o Memorial do Convento, enquadrando-o no espaço fisico do Palácio que é também palco da ação da obra.

Um elenco composto por cinco mulheres reúne-se, assim, para dar vida a Blimunda e à sua mãe numa viagem por sete luas, sete momentos e passagens que acontecem sob um lente mais lunar e feminina da história.

Para além do espetáculo (que toma lugar no Claustro Sul do Palácio e tem o custo de 12.5 euros para adultos e 7.5 euros para espectadores entre os 10 e os 16 anos), os visitantes podem ainda usufruir de um jantar no Palácio dos Marqueses Universidade dos Valores e de um percurso histórico áudio na Calçada Real. O primeiro tem o valor de 12.5 euros e o segundo torna-se gratuito na compra do espetáculo e do percurso.

Ainda por acontecer estão os espetáculos de 8 de setembro, 13 de outubro e 10 de novembro (entre as 18h e as 19h). A marcação pode ser feita através de 919 580 569, 914 891 616 ou amalgamareservas@gmail.com ; 261 810 450 ou info@universidadevalores.org.

Foto: divulgação / CM Mafra

Amalgama Companhia de Dança: uma visão holística e universal da Arte

Foi fundada em 2000 e o próprio nome remete para “uma fusão de gentes de diferentes qualidades e oriundas de diversos lugares”. A Companhia alicerça-se sobre uma nova experiência da Dança – mais humana, universal e familiar. Os seus espetáculos são pensados não só para o palco mas também para pontos pertinentes do património histórico, do qual é exemplo o Palácio Nacional de Mafra.

LÊ TAMBÉM: COMPANHIA DE DANÇA DE ÉVORA LEVA TRISTÃO E ISOLDA ATÉ À DINAMARCA