Ilustração: Luís Lopes

60 anos de Madonna: confissões numa calçada de Lisboa

De sobrenomes Louise Ciccone, de cognome Rainha da Pop, desde sempre a pioneira e o vulto resiliente da indústria musical, dada à reinvenção tal como à subversão, passível de beatificação como imperadora das secções de “Controvérsia” na Wikipédia. Um nome, uma atitude e um espírito imutável de mutação: Madonna completa nesta quinta-feira 60 anos.

É de notar que a publicação de mais uma peça sobre Madonna num órgão de comunicação português pode suscitar suspiros. À conta de um filho aspirante a futebolista, encontrou residência na capital, situação cujas mundanidades se parecem amplificar, de forma populista, pouco generosa (e sagaz). Propagam-se em turbina novas da aquisição de cavalos autóctones e do arrendamento de espaço para automóveis — digam o que quiserem, pouquíssimas figuras públicas teriam o poder de conduzir Fernando Medina a um telejornal para refutar rumores sobre estacionamento.

Ignora-se (ou suspeita-se) do que poderá significar para a diáspora portuguesa a fixação de uma das mais visionárias alquimistas da pop em terras lusitanas, principalmente quando são conhecidas as intenções de incorporar o fado no seu próximo álbum. As vendas dos seus trabalhos podem continuar a minguar, mas a voz de Madonna encontra-se perpetuamente munida de um megafone, com ligação direta aos milhões de devotos e tantos outros espectadores do próximo espetáculo megalómano que levará aos palcos.

E se nem sempre coexistimos geograficamente com ela, o magnetismo da sua órbita irregular em torno de Portugal parece ter naturalmente alavancado essa aproximação. A presença nula nos anos 80 e 90 elevou-se a vestigial a partir de 2004, grifada pela data dupla—a sua estreia em solos lusitanos—num Pavilhão Atlântico instantaneamente esgotado. Quem alega ser recente o fascínio pela personalidade desconhece a exaustiva reportagem relativa a esta passagem da artista por Lisboa—leia-se: a cama literal em que dormiu.

Em 2008, no decurso da era divisiva de Hard Candy, reservou o Parque da Bela Vista para um definidor (e desnivelado) concerto da Sticky and Sweet Tour. A imprensa reproduziu o entusiasmo, direcionado a um mui publicitado concerto no Parque da Bela Vista. Quatro anos depois, um Estádio Cidade de Coimbra esgotado mimetizaria — ainda que em escala menor — a euforia pública.

Para este rapaz, poucos momentos sustiveram a magnitude do episódio dos olhos vidrados num televisor cúbico a ver Madonna escancarar as portas figurativas dos MTV Europe Music Awards—em 2005, alojados em Lisboa: ruiva, de indumentária roxa e modernista,  montada em gargantuescas bolas de espelhos, inerentemente cool e diferente. Presenciar a tour de force que é Hung Up replicada ao vivo, numa reprodução vívida do teledisco, acima dum palco português, foi talvez demasiado para este coração.

É um momento inextricável da minha — e, sem dúvida, mil outras — memória da era de Confessions on a Dance Floor, o disco de 2005 e monumento da eletrónica que rejuvenesceu a imagem da intérprete, compositora e produtora. Como diz o ator Manuel Moreira na sua brilhante retrospetiva, cada um tem a sua Madonna preferida; a minha é esta. A dançarina de body cor-de-rosa, adepta de uma disco-pop sincretista e revivalista, simplista e enigmática, urbana e universal, banhada a néon.

Hung Up, uma das suas faixas de topo, uma fusão lapidar entre ABBA e a eletrónica exaltante da modernidade, foi o prelúdio da brilhantina que se abateria sobre as tabelas de vendas e os canais de videoclipes — da VH1 até ao SOL Música — durante meses. Foi um fenómeno difundido também no saudoso Top+ (pós-colchão-mágico). Certo é que este vídeo não se deparou com os obstáculos enfrentados por Erotica em 1992, que a SIC empurrou para o late night e a escritora Lídia Jorge alegou poder originar nos jovens “problemas de relacionamento com o corpo e com os outros em relação às questões de natureza sexual“.

Brevemente ou não, Madonna reinventar-se-á, mais ou menos fiel ao seu modo de operação: canibalizando os seus símbolos sucessivamente, destruindo os traços do seu talhe anterior e consubstanciando uma configuração nova. Pode ainda estar na incubadora lusitano-fadística ou absorvendo outro mundo que se lhe afigure. Infelizmente, não estará imune ao idadismo e a uma indústria combativa, de “sexismo flagrante, misoginia, bullying constante e abuso sem fim“— o que a própria confessa ter vivido em 41 anos de carreira.

Mas independentemente do vilipêndio a que a sujeitarão, será a Madonna preferida de alguém—talvez de um ser ainda por vir. E imaginem o prazer de ser conduzido numa viagem pelo cosmos de Madonna, mesmo que já não resida em Portugal. Pelo menos as reportagens imortalizaram o momento. “Desde […] que não vá ali para a Presidência da República, que o gajo que lá está é um gajo porreiro,” diz um morador da Lapa, “ela pode ficar onde quiser.”

Ilustração desenhada pelo designer Luís Lopes, cujos trabalhos podem ser vistos no Behance.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
RTP artistas em rede
‘Artistas em Rede’. RTP lança programa feito em teletrabalho ao sábado à noite