Quem se lembra de Christopher Robin e do seu famoso peluche Winnie The Pooh? Eles estão de volta, desta vez no grande ecrã. Neste filme da Disney, o protagonista é o dono de Pooh, que agora cresceu e é um homem de família. A partir desta quinta-feira (16), os adultos vão emocionar-se mais do que as crianças, nos cinemas portugueses.

No live-action, realizado por Marc Foster, Christopher Robin (Ewan McGregor) já não é aquele miúdo que adorava embarcar em aventuras com os animais do Bosque dos 100 Acres. Ele é agora um homem de negócios e um pai de família que perdeu o seu rumo ao crescer.

O filme começa com uma festa de despedida entre Christopher e os amigos do bosque, antes de este partir para o colégio interno. Entretanto Robin cresce, conhece e casa-se com a arquiteta Evelyn (Hayley Atwell) com quem tem a filha Madeline (Bronte Carmichael), e serve no exército britânico na Segunda Guerra Mundial.

Depois da guerra, começa a trabalhar numa empresa de malas em Londres. A firma está em crise e precisa de reduzir custos. Cabe a Robin encontrar uma solução, enquanto lida com a pressão do chefe, Giles (Mark Gatiss). Mediante isto, ele descura a sua família, apesar de sentir falta de se juntar a ela para momentos divertidos.

Foto: Divulgação

O objetivo de Alex Ross Perry, ao escrever este guião, é mostrar a dura passagem para a vida adulta, concluindo que crescer é uma tristeza. O Christopher que todos conhecêramos já não existe, tornando-se um homem sem criatividade e sempre ocupado, um adulto portanto.

Esta nostalgia que o filme pretende expor é estranhamente sombria para os padrões da Disney. Até a nível da composição visual notamos isso, através das cores escuras sobre o Bosque dos 100 Acres e pela aparência de Pooh, agora em 3D, deixando de ser aquele desenho animado sorridente.

Foto: Divulgação

Neste contexto da vida de Christopher Robin, surge Pooh (Jim Cummings) e, mais tarde, Tigre (Chris O’Dowd), Igor (Brad Garrett), Mestre Mocho (Toby Jones), Piglet (Nick Mohammed), Coelho (Peter Capaldi) e Kanga (Sophie Okonedo). Eles chegam para lembrar que ainda existe um menino por trás daquele monte de rugas.

Foto: Divulgação

Esta história é marcada por um misto de fantasia e realidade, típico da Disney. O que também é típico da Disney é o facto de não ser só o público infantil a ficar encantado com a narrativa. Na verdade, o verdadeiro alvo deste filme são os adultos, visto que estão mais familiarizados com a rotina de Robin.

 

http://https://www.youtube.com/watch?v=0URpDxIjZrQ