Depois do sucesso do filme Mamma Mia! e da sequela Mamma Mia! Here We Go Again, é possível que haja um terceiro filme a caminho.

Ainda não há quaisquer confirmações no que toca a um terceiro filme do franchise Mamma Mia! No entanto, o sucesso dos dois primeiros filmes garante que os espectadores ainda não se cansaram destas personagens. Mamma Mia! lucrou cerca de 540 milhões de euros nas bilheteiras. A sequela, estreada no passado julho, já conta com 274 milhões.

Acerca de um possível terceiro filme, Amanda Seyfried (Sophie Sheridan) estava inicialmente relutante. Mais tarde, em entrevista à Radio Times.com, mostrou ter mudado de ideias. “Sim! Claro que sim!,” disse. Também Christine Baranski (Tanya Chesham-Leigh), que inicialmente não quis participar no filme, garantiu estar disponível. Lily James, protagonista da sequela, explicou que se falou do assunto no set. “Podia ser Mamma Mia! O Teste de ADN! Descobria-se quem era o pai,” brincou.

Não se sabe qual seria a aposta dos produtores no que toca ao enredo, mas é possível fazer especulações. Com o falecimento da matriarca Donna Sheridan (Meryl Streep), talvez a história se desvie desta família. Felizmente, o que não falta são personagens interessantes e com vontade de dançar. Tanya (Baranski) e Rosie (Julie Walters), ex-membros da banda Donna and the Dynamos, são uma possível escolha. Com certeza que a avó Ruby (Cher) também terá boas histórias para contar.

Lê também: BANDA SONORA DE MAMMA MIA! HERE WE GO AGAIN JÁ ESTÁ DISPONÍVEL

No que toca à banda sonora, também não falta pano para mangas. Os clássicos Dancing Queen, I Have a Dream, The Name of The Game, Super Trouper e Waterloo estiveram presentes nos dois primeiros filmes. É provável que voltem a integrar um possível terceiro. O repertório da banda sueca ABBA conta com mais de sessenta temas que ainda não foram introduzidos no franchise. Entre eles, Don’t Shut Me Down e I Still Have Faith In You, que foram lançadas este ano (2018).

Uma vez que Mamma Mia! 3 ainda não é oficial, não há datas de estreia prevista. Uma coisa é certa — ninguém quer esperar mais dez anos.