Em reunião do Conselho de Governadores da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, foram anunciadas na passada terça-feira (7) alterações no formato da cerimónia dos Óscares.

Em 90 anos de Óscares, estas serão talvez as mais radicais alterações. A Academia inaugurou uma nova categoria, pela primeira vez desde 2001. A categoria de “Filme Mais Popular” procura integrar na cerimónia alguns dos filmes mais comerciais. Resta apenas saber o que define a popularidade de tais filmes—número de espectadores ou  lucros, e se terá em conta apenas os números americanos ou a nível mundial.

Outra das novidades é a duração da gala. A transmissão passará a ter 3h, com alguns dos prémios a ser entregues durante os intervalos comerciais. Não se sabe ainda que categorias deixarão de ser transmitidas em direto. A entrega de tais prémios e respetivos discursos dos vencedores não serão omitidos, mas sim editados e transmitidos posteriormente.

2018 foi o ano com menos visualizações de sempre no que toca à transmissão dos Óscares. Estas alterações procuram tornar a cerimónia mais atrativa para o público, quer diminuindo a sua duração, quer tendo títulos mais comerciais entre os nomeados. O conselho defendeu as medidas como sendo uma resposta aos apelos dos membros. “Ouvimos de muitos de vós a necessidade de fazer melhorias nos Óscares e na nossa Academia, para os manter relevantes num mundo em mudança,” explicam.

Lê também: ANUNCIADOS PRIMEIROS TÍTULOS DO TIFF 2018

Por fim, o conselho anunciou ainda que, em 2020, os Óscares serão mais cedo. A 92º edição tinha data prevista para 24 de fevereiro, mas foi antecipada para dia 9. Numa “award season” que se prolonga por três meses, esta antecipação pode ser uma tentativa de reaver a relevância dos prémios e evitar que os vencedores se tornem tão previsíveis. No entanto, esta mudança terá consequências nas datas de outros prémios. Os BAFTA já anunciaram que serão também antecipados, para se manterem anteriores à  cerimónia da Academia.

A reunião não teve só novidades. O Conselho de Governadores re-elegeu o diretor de fotografia John Bailey como presidente da Academia. O seu mandato vai estender-se por mais quatro anos.