Celeste Rodrigues, fadista e irmã de Amália Rodrigues, faleceu esta quarta-feira (1), aos 95 anos de idade.

É com um enorme peso no coração, que vos dou a notícia da partida da minha Celestinha, da nossa Celeste. Hoje deixou uma vida plena do que quis e sonhou, amou muito e foi amada, mas acima de tudo, foi a pedra basilar da nossa família, da minha mãe, da minha tia, dos meus irmãos, sobrinhos e filhos, somos todos orgulhosamente fruto do ser humano extraordinário que ela foi“, escreveu o neto Diogo Varela Silva numa publicação no Facebook.

Celeste Rodrigues nasceu no Fundão a 14 de março de 1923, tendo iniciado a carreira há 73 anos. Na altura aceitou o convite feito pelo empresário José Miguel (1908-1972), detentor de vários teatros e casas de fado, entre os quais o Café Casablanca. Do seu repertório constam, entre outros temas, “A Lenda das Algas” e o “Fado das Queixas“. Em 2012 o Presidente da República Aníbal Cavaco Silva condecorou-a com a Ordem do Infante D. Henrique, grau de comendador.

Há dois meses celebrou os 95 anos com um espetáculo no Teatro Tivoli, onde destacou que “cantar é sempre uma alegria” e lembrou que, nesta idade, “não é fácil ter ainda um bocadinho de voz” para se atrever a cantar.

Em abril, Celeste Rodrigues foi uma das participantes no II Festival do Fado de Nova Iorque, tendo cantado no Town Hall da cidade. Também este ano, mas em janeiro, protagonizou um dueto com Madonna, que partilhou o vídeo em que as duas cantam “Can’t Help Falling in Love“, de Elvis Presley, no Instagram. Na altura, a cantora norte-americana classificou-a como “uma lenda viva“.