O projeto Território, no qual participam jovens bailarinos em formação, termina a digressão no Porto, no Mosteiro São Bento da Vitória, a 29 de julho.

O projeto pretende dar a 12 alunos de escolas de dança de todo o país a oportunidade de trabalhar com coreógrafos estabelecidos. Os jovens de 14 a 17 anos têm assim acesso a uma experiência de criação em ambiente profissional.

A primeira edição conta como coreógrafos Filipe Portugal, ex-bailarino da Companhia Nacional de Bailado (CNB), que apresenta a coreografia O Não Efémero, e o inglês Douglas Lee, que explora as conotações perturbadoras dos jogos ligados à infância com Playdead.

Os jogos de crianças, bonecas e brincadeiras, o som da caixa de música, a inocência e a simplicidade da infância, quando transportados para o mundo mais complexo e experiente dos adultos, podem tornar-se sinistros, ameaçadores ou até assustadores“, explica o coreógrafo inglês no portal do CNB.

O projeto foi desenvolvido através de uma parceria entre a CNB e várias escolas de dança nacionais. Na estreia em Lisboa, as coreografias foram exibidas depois do filme Território Paralelo de Marco Arantes. O filme foca-se nos bastidores do programa, no processo criativo e nas relações de trabalho entre os jovens bailarinos.

Depois de ter passado por Lisboa e Faro, o espetáculo pode ser visto no próximo domingo (29), às 16h00, no Mosteiro São Bento da Vitória, no Porto. O bilhete custa 5 euros.

LÊ TAMBÉM: THE UMBILICAL BROTHERS ESTREIAM-SE EM PORTUGAL EM OUTUBRO