James Gunn, realizador dos primeiros dois Guardiões da Galáxia, foi despedido da realização do terceiro filme. A decisão foi dos executivos da Disney e surge na sequência de uma série de tweets polémicos do realizador. Os tweets, esses, foram escritos há cerca de dez anos.

É a notícia que está a abalar a Marvel e a Disney: o despedimento de James Gunn. Gunn foi realizador e argumentista de Guardiões da Galáxia e respetiva sequela, dois dos mais bem recebidos filmes do Universo Cinematográfico da Marvel.

Atitudes e frases indefensáveis

James Gunn preparava-se para exercer as mesmas funções no terceiro volume, que deveria começar as filmagens este ano e estrear em 2020. No entanto, Mike Cernovich, personalidade das redes sociais e apoiante de Donald Trump, divulgou uma série de tweets de James Gunn.

Os comentários de Gunn, datados de 2008 e 2009, dizem respeito a uma série de piadas sobre temas polémicos como violações e pedofilia. Os tweets estavam “enterrados” na conta de James Gunn, mas acabaram por emergir durante os últimos dias.

Foi na sequência desta informação que a Disney optou por terminar as suas ligações a James Gunn, despedindo-o do novo Guardiões da Galáxia. Alan Horn, presidente da Walt Disney Studios, referiu-se aos tweets como “atitudes e frases ofensivas que são indefensáveis. Isto é inconsistente com os valores do nosso estúdio e terminamos a nossa relação profissional com ele.

Não refletem quem sou.

James Gunn já se manifestou e pediu desculpas. No Twitter, Gunn afirmou que evoluiu enquanto pessoa, tal como o seu humor e o seu trabalho. O realizador continuou: “Não sou melhor, mas sou muito, muito diferente do que era há uns anos. Hoje, tento cimentar o meu trabalho no amor e não no ódio. No início da minha carreira, via-me como um provocador, a fazer filmes e dizer piadas que eram chocantes e taboo. Os meus dias de dizer algo apenas para chocar acabaram.”

Gunn disse estar arrependido dos tweets em questão e que “não refletem a pessoa que sou. As minhas palavras, de há uma década atrás, falharam no seu objetivo. Arrependo-me delas há muitos anos, não apenas porque foram estúpidas, sem piada e insensíveis, mas também porque não refletem a pessoa que sou e tenho sido há muito tempo.

Apesar disto, James Gunn mostrou frieza e compreensão pelas consequências. “Compreendo as decisões tomadas e assumo a responsabilidade pela forma como me comportei na altura. A única coisa que posso fazer é ser o melhor ser humano que posso ser. A todos, da indústria e fora dela, ofereço as minhas mais sinceras desculpas.

“Execução política. Assustador.”

As reações não se fizeram esperar. Dave Bautista, ator e ex wrestler da WWE, já reagiu ao sucedido. Bautista, que interpreta Drax em Guardiões da Galáxia, disse que James Gunn é “uma das melhores pessoas que já conheceu. Ele é gentil e bom e respeita pessoas e animais. Cometeu erros, todos o fizemos. Não me sinto nada bem com o que lhe está a acontecer.” Bautista, que se expressou também no Twitter, prometeu ainda que ia ter “mais a dizer” sobre o assunto.

guardiansvol25897cb3a159fc

Peter Quill ‘Starlord’ (Chris Pratt) e Drax (Dave Bautista)

Chris Pratt, o Starlord de Guardiões da Galáxia, não se pronuniciou sobre o tema. Num painel de perguntas e respostas a propósito de Lego: O Filme 2, Pratt não se pronunciou sobre o despedimento do realizador. Por terras lusas, Nuno Markl, apresentador e radialista, foi bem menos contido. Markl, assumido “nerd” e fã do género, considerou o assunto uma “execução política” de Gunn. No Facebook, Nuno Markl fala de algo “simples e assustador (…) acóluitos do regime deram cabo dele, com base em piadas (…) não passavam de piadas de Twitter, escritas há 10 anos e num contexto específico.”

Nuno Markl considerou estes métodos de “puro fascismo. Imagino que não faltem jovens alt-rightinhos com tempo nas mãos a vasculhar o passado e as redes sociais de todos os cómicos, em busca de incorreções políticas do passado que possam ser usadas para os meter hoje no desemprego. É muito, muito grave.” Nuno Markl terminou com “vénias” a Dave Bautista, pela posição assumida.

O despedimento de James Gunn promete trazer novas reações, tendo em conta o meio cinematográfico (dos super-heróis) em que ocorre.