Três dezenas de discos é a marca que o canta-autor Rod Stewart vai atingir quando o seu mais recente álbum for lançado. Blood Red Roses sai do forno a 28 de dezembro e promete uma viagem pelas raízes de composição do músico britânico.

O sucessor de Another Country, álbum lançado em 2015, assinala uma marca histórica na carreira de um dos artistas mais bem-sucedidos de sempre. Co-produzido por Kevin Savigar, colaborador de longa data, o trigésimo disco de Sir Stewart carrega nos seu 13 temas originais uma intimidade única na sua discografia.

“Acho sempre que faço álbuns apenas para alguns amigos e este disco tem essa intimidade.” Rod Stewart sobre o disco

Passaram quase cinquenta anos desde que Rod assinou primeiro contrato discográfico como artista a solo. Hoje, com 73 anos, o artista vê a sua maturidade artística mais que cimentada. Maturidade essa que se reflecte numa composição cada vez mais verdadeira a cada disco. Onde a sinceridade e a honestidade funcionam como íman inseparável dos seu versos.

A observação pungente, a introspecção auto reflexiva e o seu carisma lúdico, parecem misturar-se para dar origem a Blood Red Roses. Uma viagem sonora que pisa campos como o folk, a pop/r&b, o rock’n’roll e as singelas baladas a que Rod nos habituou.

A primeira amostra do disco já foi desvendada. Didn’t I, aborda as consequências do consumo de drogas, a partir da perspectiva dos pais. Um bom aperitivo para o que vamos poder ouvir perto do fim deste ano.

Para os fãs mais fiés, Blood Red Roses já está disponível em regime de pré venda.