Depois de um redesign exaustivo em 2017, a Microsoft lançou uma nova versão do Skype, com videochamadas Full HD, anexos até 300MB e a promessa de funcionalidades há muito desejadas pelos utilizadores.

Esta nova versão 8.0 vem também marcar o fim do Skype “clássico” no Windows. A partir de setembro de 2018, apenas será possível usar a versão UWP descarregável, na Microsoft Store. Nas restantes plataformas, só é necessário atualizar a aplicação já instalada.

Para além de melhorias nas videochamadas, o Skype conta também com suporte para @mentions, uma galeria persistente de anexos e notificações unificadas num único painel.

Ainda este verão, estão planeadas atualizações que trarão conversas encriptadas via Signal, notificações de leitura, criação de links para chamadas e conversas e gravação de chamadas incorporada, uma função há muito desejada para facilmente gravar conversas à distância.

O cão velho com truques novos

Embora ainda um gigante nas apps de comunicação, com cerca de 300 milhões de utilizadores mensais, o Skype tem vindo a perder relevância nos últimos anos para plataformas mais recentes como WhatsApp, FaceTime/iMessage ou Facebook Messenger.

Estes novos concorrentes vingaram devido ao seu foco na experiência móvel, numa altura em que o smartphone passou a ser o computador primário da maioria dos utilizadores.

No lado do desktop, aplicações especializadas como Discord, focada em gaming, e Slack, pensada de raiz para comunicação profissional, oferecem uma melhor experiência para gerir grupos maiores, com funcionalidades à medida dos seus públicos-alvo.

Neste novo panorama, o Skype, antes sinónimo de comunicação online, deixou de ser a melhor opção para muitos.

Lê também: WhatsApp deixa-te esconder as fotos da galeria de imagens.