O já habitual Festival ao Largo regressou a Lisboa. A sua 10.ª edição arrancou na passada sexta-feira, mas fica até dia 28 de julho, retornando assim ao Largo São Carlos (Chiado) com uma programação que inclui bailado, canto e musicais, tudo com entrada livre. O Espalha-Factos diz-te o que não deves perder.

O concerto de abertura esteve a cargo da Orquestra Sinfónica Portuguesa, dirigido por Domenico Longo, que apresentou Carmina Burana, a peça que pôs Carl Orff no mapa da música erudita. O Coro Juvenil de Lisboa e o Coro do Teatro Nacional de São Carlos juntaram-se à OSP, assim como os cantores líricos Carla Caramujo, Carlos Cardoso e Christian Luján.

Mas se perdeste a abertura, não te preocupes. Ainda há muita música para ouvir e ver.

Para os mais novos e os amantes de musicais

Esta quarta-feira, dia 11 de julho, às 21h30, o Coro Juvenil de Lisboa apresenta-se acompanhado de Pedro Sousa no contrabaixo e Pedro Silva na percussão num concerto denominado Do Rio à Broadway, que se dedica a músicas célebres do século XX, de Gershwin a Jobim.

festival ao largo

Foto: Bruno Simão / página oficial do Festival ao Largo no Facebook

Para os apaixonados por bailados                          

Para encerrar o Festival ao Largo 2018, a Companhia Nacional de Bailado traz de novo a Dança ao Largo S. Carlos, em três datas, sempre à mesma hora: 26, 27 e 28 de Julho, pelas 22h. Apresentam-se com a Toccata e Fuga de Tchaikovski, coreografada para 18 bailarinos por Ambra Senatore, Herman Scherman de Thom Willems, coreografado e desenhado por William Forsythe, e o III Acto de Raymonda, música de Alexander Glazounov, coreografado por Marius Petipa.

Para quem prefere peças orquestrais

Para além do concerto de abertura, a Orquestra Sinfónica Portuguesa apresenta mais três programas no Largo S. Carlos.  Depois de um dia inteiramente dedicado a Tchaikovski, segue-se o dia 13 dedicado à música alemã, com a Abertura de Die Meistersinger von Nürnberg de Wagner, o Concerto para dois violinos de J.S. Bach, e Der Rosenkavalier Suite de Richard Strauss, dirigido por Johannes Stert.

Finalmente, nos dias 20 e 21, às 21h30, são as Noites Russas. A Orquestra Sinfónica Portuguesa e o Coro do Teatro Nacional de São Carlos apresentam várias peças de compositores russos, de Tchaikovski a Prokofiev.

A Orquestra Metropolitana de Lisboa apresenta-se também no palco do Festival ao Largo no dia 12, às 21h30, com peças conhecidas do grande público: o Concerto para Oboé e Orquestra de W.A. Mozart, e a Sinfonia do Novo Mundo de Dvořák.

Para fugir das multidões

Se até aqui o programa te pareceu tão apelativo que só consegues pensar na multidão que se vai acumular no Largo S. Carlos, sabe então que os agrupamentos mais pequenos tocam no palco do Festival ao Largo entre os dias 17 e 19 de julho.

A Orquestra do Conservatório Regional do Montijo apresenta-se no dia 17, às 21h30, com um programa intitulado Árias, Valsas e Canções. No dia 18, à mesma hora, os Solistas de Lisboa apresentam repertório camerístico de Shostakovich e Mendelssohn. Se preferes jazz e improvisação, os L.U.M.E. apresentam-se a 19 de julho, também pelas 21h30.

LÊ TAMBÉM: FOOTLOOSE: A DANÇA NÃO PASSA DE MODA