Esta terça-feira foi divulgada pela Fundação José Saramago uma obra inédita do vencedor do Prémio Nobel português. Designada Último caderno de Lanzarote, esta nova parte do diário de 1998 do autor foi descoberta em fevereiro deste ano.

A publicação da nova obra de Saramago está já prevista para outubro de 2018 em Portugal, pela Porto Editora, e em Espanha, pela Alfaguara. É precisamente nesse mês que se cumprem vinte anos da atribuição do Nobel da Literatura ao autor.

A sua mulher, Pilar del Río, deparou-se com o ficheiro desconhecido, o “caderno 6” dentro de uma pasta intitulada Cadernos de Lanzarote. Até ao momento foram já publicados cinco Cadernos de Lanzarote.

Este sexto volume terá sido escrito no mesmo ano em que o autor recebeu o Nobel da Literatura e incluí ainda duas entradas referentes ao ano seguinte, 1999.

O autor

José Saramago nasceu na Golegã, em 1922, e foi em 1998 que o escritor português venceu o Prémio Nobel da Literatura.
Saramago

Foto: Flickr

Três anos antes, em 1995, foi o Prémio Camões que lhe foi atribuído, o mais importante prémio literário da língua portuguesa. Considerado um dos grandes responsáveis pelo reconhecimento internacional da prosa em língua portuguesa, Saramago foi agraciado, em agosto de 1985, com o grau de Comendador da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada. Em dezembro de 1998, foi elevado a Grande-Colar da mesma Ordem, uma honra geralmente reservada apenas a Chefes de Estado.

Conhecido pelo seu ateísmo e iberismo, o autor foi membro do Partido Comunista Português e foi diretor-adjunto do Diário de Notícias. Juntamente com Luiz Francisco RebelloArmindo MagalhãesManuel da Fonseca e Urbano Tavares Rodrigues, fundou, em 1992, a Frente Nacional para a Defesa da Cultura (FNDC).

Saramago

Foto: Saramago e Pilar del Río em Lanzarote | Rui Duarte Silva

Em junho de 2007, formou a Fundação José Saramago para a defesa e difusão da Declaração Universal dos Direitos Humanos e dos problemas do meio ambiente. Em 2012, a fundação abriu as suas portas na Casa dos Bicos, em Lisboa, e desde aí que é presidida pela esposa do escritor, Pilar del Río.