O jornalista David Dinis, diretor do Público desde 2016, demitiu-se esta segunda-feira (2) das suas funções depois de a administração ter demitido, à sua revelia, o diretor-adjunto Diogo Queiroz de Andrade, em rutura com a estratégia digital do jornal.

De acordo com o Expresso, foi esta segunda-feira de manhã que Queiroz de Andrade terá recebido a notícia da sua exoneração, que acontece naquele que seria o primeiro dia de férias de David Dinis. A opção, resultado do incumprimento de “metas relativas ao online” e discordâncias na estratégia digital do Público e ainda baseada em “problemas relacionais“, já era discutida internamente há dois meses, de acordo com declarações do diretor ao Conselho de Redação.

Em reação, a direção terá sempre dito à administração que a decisões tomadas eram coletivas e não de um único elemento. Na sexta-feira, o até agora diretor do Público terá sido informado da intenção de dispensar os serviços do diretor-adjunto a partir desta segunda-feira, avança o Dinheiro Vivo. David Dinis demitiu-se, em solidariedade com o colega.

Diogo Queiroz de Andrade, número 2 na hierarquia do jornal da Sonae, faz parte da direção desde que este diretor chegou à publicação, repetindo a parceria que já tinham tido em 2014 na fundação do diário online Observador.

O Conselho de Redação do Público deu parecer negativo, em 2016, à sua contratação de Queiroz de Andrade para diretor-adjunto, tendo entendido que “a contratação de um diretor não pode ser feita através de uma prestação de serviço, ainda mais com uma empresa que possui no seu objeto atividades que são incompatíveis com o exercício do jornalismo“, numa referência à empresa Vitrimedia, uma agência criativa que lhe pertencia. Na altura, o Sindicato dos Jornalistas apoiou o veto dado pela redação do Público.

O fim de um ‘processo de reflexão

Em comunicado, o Conselho de Administração do diário explica que decidiu prescindir dos serviços de Diogo Queiroz de Andrade, responsável pela área digital do Público, “após um processo de reflexão ao longo das últimas semanas“.

Na nota, que foi disponibilizada internamente, os gestores do jornal dão a entender, no entanto, que a decisão não foi uma surpresa para David Dinis, ao referirem que “a comunicação hoje efetuada” já tinha sido “anteriormente discutida“.

Todos os membros da direção, que também era constituída por Tiago Luz Pedro e Vitor Costa, estão agora demissionários. A administração do jornal não indicou, até agora, se já se encontra a fazer contactos para substituir a direção editorial do título.

 

Atualizada às 19h47 com informação da nota interna e do Conselho de Redação.