Dia 21 de junho vai ser lembrado como a data de um dos momentos mais felizardos da história dos LCD Soundsystem. Em quase três horas de concerto, num Coliseu dos Recreios cheio, a banda deu um último concerto de forma gloriosa, provando a falta que fez à música.

O grupo de Dance Yrself Clean já ia, todavia, no seu terceiro concerto nesta sala de espectáculos. Para quem tinha ido desde o primeiro, o relógio digital e a bola de espelhos já não eram qualquer surpresa. O espanto viria na entrega dada naquele que iria ser “o concerto mais longo desta tour”, como afirmou James Murphy, vocalista.

A glória em LCD no Coliseu dos Recreios

Dez horas da noite e a banda aparece. Começam a tocar Losing My Edge, apostando nas dinâmicas que a música entrega, oferecendo, assim, o cartão de visita dos lcd soundsystem: uma performance viva com reduzidos pontos baixos.

A partir daí, seguem-se, tanto músicas do último álbum, American dream, como alguns êxitos passados. I Can Change foi a primeira canção que acabou por ser recebida pelo público quase com um sentimento de saudade. Os LCD Soundsystem nunca deveriam ter acabado.

Lê também: LCD Soundsystem ressuscitam o sonho americano.

E, mesmo em músicas menos conhecidas, o grupo sabia dar a volta. Puxando mais pelo improviso, conferindo mais energia, parecia que a banda não tinha estado parada durante quatro anos.

Por conseguinte, músicas como Daft Punk Is Playing At My House ou Home são tocadas até chegarmos a um dos hinos da banda, New York, I Love You But You’re Bringing Me Down.

Arrepiante, escutou-se um coro de quase 4000 vozes e, assim, os LCD Soundsystem fizeram promessas: não só iriam escrever mais um álbum e voltar a Lisboa, como ainda tocariam mais músicas.

Aí, tudo o que um fã desta banda poderia pedir acabou por receber. Com dois encores, foi a melhor e a maior das conclusões. Desse modo, não poderíamos deixar de observar algumas pessoas que, ao ser tocada All My Friends, se emocionavam, como tivessem voltado a ver um velhor amigo, despedindo-se, não com um adeus, mas com um até já.

Fotografias de João Marcelino (do concerto de dia 20 de junho)