Na semana passada, o Espalha-Factos esclareceu as dúvidas acerca do festival Milhões de Festa. Alguns dias depois, a organização do evento revela que irá decorrer entre 6 e 9 de setembro. O cartaz vai ser anunciado até ao final do mês de julho.

Com o slogan de “A tradição já não é o que era“, a 11ª edição do festival terá sido adiada a pedido da organização (simultaneamente editora) Lovers&Lollypops. A causa está na “pressão cada vez maior dos festivais de julho e agosto“, como indicou Joaquim Durães, um dos fundadores do evento, ao jornal Público.

Não queremos um amontoar de concertos. Queremos que as pessoas experimentem e saboreiem cada concerto com mais tempo e paciência”, para além disto Durães adianta ao Público que o número de atuações pode ser menor relativamente a edições anteriores do festival.

No facebook do festival, a preocupação das pessoas acerca dos festivais começava a ser evidente através de comentários. Num deles é possível ler “E é para haver este ano? Estamos a 2 meses da altura normal do festival, e ainda nem datas temos. Começo a estranhar e ficar com receio.”  Também os jornais começaram a questionar a existência do festival este ano, visto que o contrato do Milhões com a Câmara de Barcelos terminava em 2017. 

O Milhões de Festa estreou-se na cidade invicta (Porto), em 2006. Nos quatro anos seguintes, mudou-se para Braga. Em 2010, fixou-se em Barcelos onde tem permanecido nos últimos oito anos. Era sempre feito em julho nas Piscinas Municipais da cidade de Barcelos.

No palco do Milhões, já pisaram artistas como Cave Story, os britânicos Alt-J, El Guincho, Michael Rother e Eletric Wizard. Em 2013 e 2014, o Milhões de Festa ganhou o prémio de Melhor Festival de Pequena Dimensão.

A organização, Lovers&Lollypops, é também responsável pelo festival Tremor. Para além de se responsabilizarem de dois festivais, tem um papel fulcral no lançamento de novos artistas. A discográfica já ajudou a lançar mais de 60 discos. Entre eles, artistas como Filho da Mãe, Sequin, Duquesa e Equation.