No dia 16 de junho, no Hotel Mariott de Lisboa, deu-se a primeira edição do Brut Experience. Aberto a um público de principalmente críticos e profissionais enológicos, o Espalha-Factos esteve também presente a registar os  momentos da eleição dos melhores espumantes nacionais e internacionais.

Espumantes de Prestígio

Concurso Internacional de Espumantes Brut Experience 2018, coorganizado por José Miguel Dentinho e Luís Gradíssimo, distinguiu através dos prémios de ouro, prata e bronze os melhores espumantes da sala.

Quinta do Rol, situada no concelho da Lourinhã, foi a grande vencedora da primeira mostra de espumantes em Portugal. Para além de ter sido premiada, por duas vezes, com ouro, a adega da região da Estremadura recebeu também a pontuação mais alta da sala.

Segundo o enólogo Nuno Silva, um dos jurados do concurso, o que distingue o Rosé Grande Reserva de 2009 é a “proximidade com o mar“, que resulta numa “nota de salina e de frescura sempre latente no paladar“. Não obstante, é de frisar ainda a essencialidade do tempo de reserva como fator de produção, que lhe valeu os 92 pontos.

Blanc de Blancs, da mesma reserva que o rosé, encontrou também um lugar de privilégio no concurso. Com 90 pontos, o extrabruto contribuiu, também, para o sucesso que a Quinta do Rol fez no Brut Experience.

Dois espumantes premiados

Dois dos espumantes premiados no Brut Experience, ambos com medalha de ouro.

Num registo completamente diferente, a Super Reserva de Bruto da Quinta do Ferro obteve a melhor pontuação de espumante branco. Filipa Trigo, representante da House of Wines, considera que “a influência do vinho verde” e o “estágio de estabilização natural superior a 12 meses” fizeram valer os 91 pontos de classificação.

A irreverência deste espumante, em relação aos restantes, faz-se sentir na sua combinação perfeita com a cozinha japonesa. Já tendo recebido a medalha de prata na China Wine Awards de 2012, o espumante tem um protagonismo próprio nas mesas asiáticas.

Espumante com 91 pontos

Espumante DOM FERRO premiado no Brut Experience com ouro.

Workshop de harmonizações

Apresentado por Luís Gradíssimo,houve ainda tempo para a combinação entre receitas originais do chef António Alexandre e os espumantes premiados. Através de cinco pratos completamente distintos, o principal objetivo seria provar “a versatilidade gastronómica do espumante“.

A combinação entre o prato e o vinho servido foi descrita como “um casamento essencial”. O equilíbrio de paladares é, segundo o chef do Mariott, o segredo da cozinha. Para marisco um espumante evoluído, que complete a frescura da iguaria. No caso de carnes, ou até comida bastante temperada, foi sugerido um espumante mais doce, com notas frutadas. As sobremesas, por outro lado, devem ser acompanhadas por um champanhe que equilibre o açúcar com a secura.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Muito mais que champanhe

A Brut Experience, para além de selecionar os melhores espumantes nacionais, representou também os pequenos pormenores que tornam o brinde tão especial. A Patê+, uma marca nacional que combina com as bolhas do espumante, sugere “a fusão entre tudo o que é excelente em Portugal”. ” Três cogumelos“, “três algas” e “alcachofra” são alguns dos sabores que a marca alentejana elegeu como os “melhores acompanhamentos de uma garrafa de champanhe”.

Numa nota mais adoçada, a Cacao di Vine apresenta o chocolate de vinho, que é muito mais do que um “recheio licoroso”. Com aromas que agradam a todos os gostos enológicos, os pequenos doces revelam a combinação que o chef António sugere.