De 15 a 17 de junho, o Teatro São Luiz acolhe o evento Os Dias do Público e abre as portas para uma programação intensiva e variada. Este evento é o resultado de um trabalho levado a cabo desde 2016 por um grupo de espetadores sob a coordenação do Teatro Meia Volta no âmbito de um projeto de formação de públicos com o mote O Público vai ao Teatro.

Depois de, na primeira temporada (2016-2017), um grupo de adultos e um grupo de professores (além de um grupo de crianças) terem assistido a diversos espetáculos no Teatro São Luiz, na temporada, que agora termina, um grupo mais reduzido assumiu as funções de programação. Assim surgiram Os Dias do Público, uma espécie de “mini-festival” de três dias acolhido no São Luiz com espetáculos para todos os públicos que refletem a diversidade do próprio conjunto de pessoas que o pensaram.

Na base destes dias está a ideia do teatro como espaço público e dos cruzamentos e intersecções entre o teatro (neste caso, o São Luiz) e a cidade (de Lisboa). A ideia assenta sobre dois eixos fundamentais: “de fora para dentro”, em que se pretende trazer para o teatro pessoas que não têm com ele uma forte relação; “de dentro para fora”, permitindo ao teatro mostrar-se ao público e à cidade como talvez nunca o tenham visto.

A programação completa e detalhada está disponível no site do Teatro São Luiz mas o Espalha-Factos deixa-te alguns destaques do que vai acontecer ao longo destes três dias.

Viver (n)o Teatro

Dormir no palco da Sala Luís Miguel Cintra é uma das atividades que integram a programação mas há muito mais, desde almoçar no teatro a tomar um duche no camarim, passando pela oportunidade de fazer uma massagem ou ir a uma sessão de leitura de tarot.

Hoje vim trabalhar para o teatro

Se o trabalho faz parte do quotidiano de toda a gente, é natural que profissionais de várias áreas venham trabalhar para o Teatro: uma cabeleireira, um fotógrafo, uma  esteticista, uma taróloga, uma massagista e professores de danças de salão. O público que passar pelo São Luiz por estes dias poderá usufruir de todos estes serviços.

17 de junho (domingo) das 15h às 18h

Almoço-Deriva

O Teatro São Luiz é o local ideal para quem ainda não sabe onde ir almoçar no domingo. Um almoço para “falarmos da cidade em que vivemos”, com a presença de António Pedro (músico e cineasta), Pauliana Valente Pimentel (fotógrafa) e Vera Mantero (coreógrafa e bailarina).

17 de junho (domingo) às 13h | Inscrição prévia através do e-mail info@teatrosaoluiz.pt

Ópera-Show(er)

Quem nunca imaginou ser o Pavarotti ou a Maria Callas na privacidade do seu chuveiro? Agora qualquer pessoa pode soltar a voz enquanto toma um duche (ou vários) num camarim do Teatro São Luiz, cantar e encantar quem passa pelos espaços adjacentes. Mas atenção ao desperdício de água!

15 e 16 de junho (sexta e sábado) das 20h30-21h30 e das 23h-0h30

Cantar (n)o Teatro

Karma Drums e Coro Infanto-Juvenil da Universidade de Lisboa

Os Dias do Público começaram teatro afora, na passada sexta-feira, guiados pelo som dos Karma Drums que convidaram a cidade a juntar-se à festa. Já dentro do teatro teve lugar a abertura oficial que incluiu a atuação do Coro Infanto-Juvenil da Universidade de Lisboa.

Um Concerto pela Noite

Mesmo quem não dorme no Teatro pode juntar-se ao grupo para ouvir Lula Pena, num concerto intimista com puffs, almofadas e mantas para relaxar e desfrutar.

16 junho (sábado) às 00h

Baile Dançante com Roda de Choro de Lisboa

Os Dias do Público terminam com a Roda de Choro de Lisboa, garantia de que não faltará música de vários géneros no encerramento desta festa.

17 junho (domingo) às 19h

Espreitar (n)o Teatro

Os Sapatos do Sr. Luiz

Uma visita-espetáculo pensada para os mais novos, que desvenda histórias do Teatro São Luiz através de gestos, memórias, objetos e melodias lhes proporcionar experiências performativas e participadas, convidando-os a viver o percurso com o corpo, a palavra e a imaginação.

16 e 17 de junho (sábado e domingo) às 11 | Entrada gratuita sujeita a levantamento de bilhete a partir das 10h

Espetáculo Guiado

André Murraças, Vitor d’Andrade, Ana Teresa Magalhães e Carla Flores convidam-nos a entrar São Luiz adentro. O público é levado por um percurso acompanhado para explorar a história e as estórias deste teatro que já teve três nomes e sobreviveu a um incêndio.

16 e 17 de junho (sábado e domingo) às 15h e 16h | Entrada gratuita sujeita a levantamento de bilhete uma hora antes do início do espetáculo

Cinderela – Ensaio Aberto

Antes da estreia no dia 19, Lígia Soares abre a porta da Sala Mário Viegas para que os curiosos possam assistir aos ensaios do espetáculo Cinderela e observar por dentro o processo criativo.

16 e 17 de junho (sábado e domingo) às 11h30

Pensar (n)o Teatro

ATLAS Lisboa

Em palco estão cerca de 100 pessoas de diferentes profissões para construir um atlas da organização social humana, um espetáculo sobre o trabalho com concepção de Ana Borralho e João Galante.

15 e 16 de junho (sexta e sábado) às 21h30 | Entrada gratuita sujeita a levantamento de bilhete uma hora antes do início do espetáculo

Olhar quem faz

Estelle Valente é a fotógrafa da casa. Trabalha com o São Luiz desde 2015 e acompanha o seu dia-a-dia, fotografando quem faz (o) teatro. A equipa d’Os dias do Público convidou-a a fazer uma seleção das fotografias tiradas ao longo dos últimos três anos, que poderá ser vista numa projeção em loop ao longo destes três dias.

15 e 17 de junho (sexta a domingo), todo o dia

O Teatro como Espaço Público

Vítor Belanciano modera esta tertúlia sobre algumas das questões que estão na origem deste projeto. O que é isto de pensar um Teatro como espaço público? Como se posicionam as instituições culturais públicas em relação às dinâmicas socioculturais ou políticas à sua volta? O público é convidado a participar nestas reflexões que dizem respeito a todos.

16 de junho (sábado) às 17h | Entrada livre

Lê também: ORQUESTRA GULBENKIAN LEVA A ÓPERA ATÉ À PRISÃO