Com o começo do Campeonato Mundial da FIFA 2018, o mundo está de olhos postos na Rússia. Desta vez, salientamos o país soviético na área do cinema com 10 dos melhores filmes russos de todos os tempos.

Quando voam as cegonhas (1957)

Quando voam as Cegonhas de Mikhail Kalatozov

Tatyana Samoylova e Aleksey Batalov em  “Quando voam as cegonhas”

Realizado por Mikhail Kalatozov, o filme conta a história de um casal que se separa pelas circunstâncias da Segunda Guerra Mundial. Veronika (Tatyana Samoylova) e Boris (Aleksey Batalov) estavam apaixonados , mas os seus caminhos separaram-se. O jovem é enviado para o exército e deixa Veronika a aguardar por notícias suas. Nisto, a rapariga é violada por Mark (Aleksandr Shvorin), primo de Boris, e acaba por casar com ele. No entanto, Veronika continua à espera do seu verdadeiro amor, Boris.

 

Eu sou Cuba (1964)

Luz MarÍa Colazzo em “Eu sou Cuba”

Este drama, também realizado por Kalatozov, traça o perfil de um período de transição em Cuba. O retrato da revolução comunista é assente em quatro histórias diferentes, protagonizadas por Luz Maria Colazzo, José Gallado e Raul García.

Maria, de Havana, é prostituta num casino da cidade para americanos ricos. Pedro é um camponês idoso e as terras onde cultivava foram vendidas a uma empresa. Enrique é um universitário que vê os amigos serem atacados pela polícia por distribuírem panfletos de Fidel Castro. Depois deste episódio, o estudante planeia a morte do chefe da polícia. Mariano e a sua família são camponeses ameaçados pelas forças de Batista. O homem de família rejeitou juntar-se à guerra a pedido de um soldado.

Guerra e paz (1966)

Lyudmila Savelyeva e Sergei Bondarchuk em Guerra e Paz

Lyudmila Savelyeva e Sergei Bondarchuk em “Guerra e Paz” (1966)

Sergei Bondarchuk é o responsável por esta adaptação do clássico da literatura mundial, da autoria de Liev Tolstói. As quase sete horas de filme mostram-nos o início do século XIX. As tropas de Napoleão Bonaparte trazem guerra para o solo russo e paralelamente a ela, desenvolve-se uma história de amor entre Natasha Rostova (Lyudmila Savelyeva) e Pierre Bezukhov (Sergei Bondarchuk). Enquanto isso, o príncipe Andrei Nikolayevich Bolkonsky (Vyacheslav Tikhonov), amigo de Pierre, alista-se no Exército Imperial Russo.

Vem e vê (1985)

Aleksei Kravchenko em Vem e Vê

Aleksei Kravchenko em “Vem e Vê”

A história de Florya (Aleksei Kravchenko) decorre no ano de 1943 na Bielorrússia. Realizada por Elem Klimov, a película revela a vida do jovem camponês, associado a um  grupo de guerrilheiros antinazis despreparado. Depois de ter sido deixado para trás em confronto com os alemães, Florya volta a casa. Quando chega depara-se com um cenário de massacre, mas continua o seu rumo presenciando cenas cada vez mais fortes.

O Sol Enganador (1994)

Nikita Mikhalkov em "O Sol enganador"

Nikita Mikhalkov em “O Sol enganador”

Não fugindo à temática da guerra, o filme de Nikita Mikhalkov, aborda a vivência de um herói revolucionário e comandante do exército russo. Durante o verão de 1936, Sergei Kotov (Nikita Mikhalkov) passa uma temporada na sua casa de campo com a filha e a mulher. Tudo corre bem até a chegada do seu velho amigo Dimitri (Oleg Menshikov). O comandante sabe a verdade sobre o conhecido e, no meio do governo de Estaline, sabe que há algum perigoso segredo por trás da visita de Dimitri.

A Arca Russa (2002)

“A Arca Russa” de Aleksander Sokurov

Realizada por Aleksander Sokurov, a obra é do século XXI mas viaja pela história da Rússia desde o século XVIII. Nos anos 2000, um realizador (Sergei Dontsov) é misteriosamente enviado para São Petersburgo. No museu Hermitage ele encontra um diplomata francês do século XIX (Leonid Mozgovoy) , com quem inicia uma jornada pela história do país.

Sereia (2007)

Mariya Shalayeva em “Sereia”

Alisa (Mariya Shalayeva) morava numa cidade do litoral, cantava no coro, sonhava em ser bailarina e tinha um dom: transformar desejos em realidade. O filme, realizado por Anna Melikian, é uma comédia dramática sobre uma rapariga especial. Aos seis anos, ela parou subitamente de falar e passou a frequentar uma escola específica. Aos 17, mudou-se para Moscovo onde conheceu Aleksandr ‘Sasha’ Viktorovich (Yevgeny Tsyganov), um homem com um profundo desejo de ser salvo e protegido. Alisa decide ajudá-lo, sem saber que a sua vida mudaria para sempre.

Fausto (2011)

Johannes Zeiler e Anton Adasinskyi em "Fausto"

Johannes Zeiler e Anton Adasinskyi em “Fausto”

Esta adaptação do famoso poema Fausto, de Goethe, também tem a mão de Sokurov. A história de Johannes Georg Fuast (Johannes Zeiler) foi já a vencedora do Festival de Veneza 2011. O doutor é um cientista brilhante, mas desiludido, o que o leva a fazer um pacto com um comerciante diabólico (Anton Adasinskyi) em troca de prestígio e do amor da sua amada Gretchen (Isolda Dychauk).

As Noites Brancas do Carteiro (2014)

“As noites brancas do Carteiro”

Este drama de Andrei Konchalovsky representa a ligação de um povo a uma pessoa e a dessa pessoa ao povo. Numa aldeia longínqua da Rússia vivem camponeses que só produzem o que necessitam sem o uso de tecnologias. O único contacto com o mundo exterior é o carteiro (Aleksey Tryapitsyn) que todos os dias chega de barco. No meio de outras aventuras, o motor do seu barco é roubado, o que o impede de entregar o correio. A sua vida fica do avesso bem como a de todos os moradores daquele local.

Loveless: Sem Amor (2017)

Matvey Novikov em “Loveless”

Realizado por Andrey Zvyagintsev, Loveless relata o divorcio de Boris (Alexey Rozin) e Zhenya (Maryana Spivak). Depois de vários anos em conjunto, os dois preparam-se para as suas novas vidas: ele com a sua nova namorada, que está grávida, e ela com o seu companheiro rico. Com tantas preocupações eles acabam por não dar atenção ao filho Alyosha (Matvey Novikov), que desaparece misteriosamente.