voluntária
Foto: Freddie Marriage | Unsplash

Voluntária da Feira do Livro acusada de racismo

Um debate sobre ativismo, levado a cabo pela editora Tinta-da-China, no passado sábado, na Feira do Livro de Lisboa, teve de acabar mais cedo devido a comentários racistas por parte de uma voluntária do evento. A editora acusa a voluntária de racismo.

Durante um dos momentos da Feira do Livro de Lisboa deste fim de semana, um debate sobre ativismo a propósito do lançamento do livro Racismo no País dos Brancos Costumes, da autoria de Joana Gorjão Henriques, uma situação inesperada aconteceu. O debate acabou mesmo por ter de ser interrompido mais cedo do que o previsto (cerca de dez minutos), devido aos comentários de cariz racista tecidos por uma voluntária contratada pela Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL).

Quem fez a denúncia foi Bárbara Bulhosa, da editora Tinta-da-China, que publicou o livro, e que relatou o incidente através de uma publicação na rede social Facebook. Na mesma, a editora relata que a voluntária passou o debate a “gesticular e mandar bocas a dizer que não concordava com nada do que estava a ser dito”. Segundo a editora, que presenciava o debate na primeira fila, a voluntária repetiu várias vezes as palavras “esta gente”, referindo-se aos presentes de raça negra.

Já perto do evento terminar, os comentários inapropriados da voluntária ter-se-ão transformado em comentários diretos, chegando mesmo a interromper Mamadou Ba, dirigente do SOS Racismo, enquanto esta fazia uso da palavra, para lhe dizer “vê lá se te despachas”. Perante isto, a autora Joana Gorjão Henriques, responsável pelo debate, decidiu terminá-lo abruptamente.

Indignada com o que tinha acabado de assistir, Bárbara Bulhosa relata: “saltei da primeira fila e abordei a senhora voluntária dizendo-lhe peremptoriamente que não podia mandar calar um convidado que estava a falar para uma plateia cheia. Que não funcionava assim”.

A voluntária terá então começado a insultar a editora, inquirindo “quem julgam que são?” e dizendo que com a editora em questão “é sempre isto”, nesta que terá sido uma verdadeira “performance racista”.

A editora Bárbara Bulhosa declarou ainda que, ao contactar a APEL, esta, além de afirmar que iria substituir a voluntária em causa, terá pedido que não fizesse ameaças, após Bárbara ter dito que iria tornar o caso público. No entanto, tal como revela a editora, não houve um pedido de desculpas pelo sucedido, nem à autora nem aos convidados.

O pedido de desculpas da APEL

Em comunicado enviado ao Observador, depois de contactada pelo jornal, a APEL já afirmou lamentar “profundamente os incidentes ocorridos”, salientando que “não se revê de nenhum modo na atitude assumida pela sua colaborado que dava apoio logístico à sessão de apresentação”.

A associação afirmou ainda ter tomado “medidas para evitar a repetição de incidentes deste teor, que mais uma vez repudia”, sem haver, no entanto, uma especificação relativamente a que medidas seriam essas.

LÊ TAMBÉM: FOTÓGRAFO OFICIAL DE OBAMA LANÇA LIVRO A COMPARÁ-LO COM TRUMP

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Big Brother Cláudio Ramos BB Zoom
Junho. TVI e RTP1 recuperam terreno, mas SIC continua longe