Deadpool está de volta e mais tresloucado do que nunca. O anti-herói é um projeto pessoal de Ryan Reynolds e, após o sucesso do primeiro filme em 2016, regressa para a sequela. Deadpool 2 é ousado, refrescante e profundamente divertido. Uma digna sequela, portanto.

A persistência de Reynolds

Ryan Reynolds conquistou público e crítica em 2016, quando trouxe a público Deadpool. O projeto era uma paixão pessoal do ator canadiano há vários anos. Deadpool é o pseudónimo de Wade Wilson, um mercenário que foi submetido a uma cirurgia e ganhou um poder de cura acelerado, tornando-se essencialmente imortal. O personagem é também conhecido pela sua veia humorística e politicamente incorrecta. Os autores dos diversos comics de Deadpool chegaram mesmo a fazer referências diretas a Ryan Reynolds.

Foi assim que o ator canadiano soube da existência do personagem, que imediatamente fez questão em interpretar. Reynolds começou por interpretar uma… estranha versão de Deadpool em X-Men Origens: Wolverine, em 2009. O filme foi mal recebido por público e crítica, e as opiniões negativas alargaram-se ao tratamento dado a Wade Wilson.

Desde então, Ryan Reynolds esteve sempre associado a um reboot do personagem, persistindo em fazer justiça ao personagem. E esse projecto chegou em 2016. O filme foi profundamente bem recebido pela crítica e pelo público, sendo nomeado para os Globos de Ouro de Melhor Filme e Melhor Ator na categoria de Comédia.

Deadpool 2 é a resposta a todo este sucesso. A vida de Deadpool (Reynolds) é abalada por uma tragédia pessoal, levando-o a travar conhecimento com Firefist (Julian Dennison), um jovem mutante. A relação entre ambos é marcada por Cable (Josh Brolin), um super-soldado do futuro que pretende matar Firefist.

Quebrar o paradigma

Deadpool 2 é assim a sequela natural e pedida por público e crítica. E, na verdade, é tudo o que se poderia esperar.  Deadpool 2 é uma desbocada comédia de ação que volta a quebrar na totalidade os paradigmas do clássico filme de super-heróis. Numa altura em que o Cinema é engolido por constantes projetos da Marvel (e alguns da DC), Deadpool 2 segue as pisadas do seu antecessor e demarca-se completamente dos restantes.

O filme é politicamente incorreto, violento e de tom geralmente agressivo. E estas são as suas maiores virtudes. Deadpool 2 conhece o seu público e as exigências que lhe são feitas. O argumento de Rhett Reese, Paul Wernick e do próprio Reynolds, é de grande inteligência. Parte de diálogos deliciosos e situações absolutamente caricatas para deleitar o espetador.

E, no processo, é capaz de disfarçar as suas fragilidades. Nomeadamente o facto de ter uma premissa fraca e assente em facilitismos narrativos como o primeiro ato do filme e a referida tragédia na vida de Wade Wilson. Na verdade, também o primeiro filme apresentava uma história relativamente pouco estimulante.

Para além do humor, também o meta-humor é de elogiar. A facilidade e o sucesso com que Deadpool 2 salta a quarta parede e é capaz de gozar com os atores, a Marvel e a própria indústria do Cinema é brilhante. Para além de alguns cameos hilariantes (alguns de autênticos A-listers!), Deadpool 2 tem sequências, nomeadamente depois dos créditos, brilhantes.

A importância do elenco

Mas falar de Deadpool 2 é, tal como no primeiro filme, falar dos seus personagens e elenco. Sobre Ryan Reynolds, pouco mais há a dizer. Confirma a sua presença num restrito grupo de atores nascidos para interpretar um herói da Marvel, tal como com Hugh Jackman/Wolverine. Reynolds está totalmente imerso no personagem e isso é evidente.

Do elenco original regressam T.J. Miller (pena as polémicas que o acompanham fora do ecrã, porque a sua presença é extremamente cómica) e Morena Baccarin. Os novos elementos incluem Zazie Beetz, o já referido Dennison e Josh Brolin, a grande adição ao elenco. Brolin faz o que pode com o personagem, mas Cable não merece muita atenção dos argumentistas. O ator teve bem mais material com que trabalhar no recente Vingadores: Guerra do Infinito.

Ver Deadpool 2 como pouco mais do que um conjunto de sketches seria legítimo. Mas a sua acidez e humor, versatilidade e capacidade de entretetnimento, são irresistíveis. Um excelente conjunto de sketches tornam Deadpool 2 um triunfo.

E, mais uma vez, uma lufada de ar fresco no género já esganado de super-heróis. Deadpool 2 arrisca, não acerta em tudo, mas volta a ser bem sucedido. E estamos a falar de um filme de super-heróis com os créditos iniciais ao som de Céline Dion. A não perder.

 

8/10

Título original: Deadpool 2
Realização: David Leitch
Argumento: Rhett Reese, Paul Wernick e Ryan Reynolds.
Elenco: CRyan Reynolds, Morena Baccarin, Josh Brolin e T.J. Miller.
Género: Acção, comédia.
Duração: 119 minutos