A utilização das palhinhas de plástico tem sido fortemente questionada, na discussão da redução de consumo de material poluente e das suas consequências nefastas para o ambiente. A gigante alimentar, McDonald’s, está a debater a extinção a utilização destas palhinhas nos países em que opera.

Com base nos estudos publicados sobre os efeitos causados da utilização de palhinhas de plástico descartáveis nos mares e no solo, a McDonald’s decidiu colocar em debate a extinção deste utensílio. O objeto, que também já se converteu em ícone, com as cores da gigante americana, pode mesmo ter os dias contados em todos os países onde a cadeia de fast-food opera.

Em debate estão as consequências de uma grande cadeia alimentar banir a utilização das palhinhas de plástico em todos os países onde opera e as reações desta medida pelos mesmos. A reflexão orienta-se também para a forma como a sociedade civil lida com o problema do consumo excessivo de plástico.

A vontade da marca em procurar uma solução mais sustentável para as palhinhas de plástico não vem de agora. Há cerca de dois meses, a McDonald’s testou no Reino Unido a utilização de palhinhas de papel biodegradáveis. Esta nova opção poderá assim assegurar não só a qualidade garantida pelo plástico, como também uma produção renovável.

PODERÁ AINDA LER: PRESIDENTE DO TURISMO DO ALGARVE CONSIDERA “ABERRANTE” A PERFURAÇÃO EM ALJEZUR

O impacto destas medidas poderá ser substancial, uma vez que a McDonald’s está implantada em mais de 100 países em todo o mundo, com mais de 30 mil estabelecimentos, que atendem perto de 70 milhões de clientes diariamente. No ADN desta marca está a análise de cada parte do negócio, a verificação do seu impacto ambiental e o comprometimento na minimização dos seus efeitos.

“Na McDonald’s reconhecemos a necessidade de proteger e preservar o ambiente.”, diz o site da McDonald’s Portugal. O desenvolvimento sustentável e as políticas ambientais são um garante da marca, que afirma que o seu papel é o de assegurar o conforto dos clientes, sem esquecer os vizinhos.

“É DE PEQUENINO QUE SE TORCE O PEPINO”

Na frente da luta pela diminuição do consumo de plásticos está Molly Steer. A australiana, de apenas nove anos, conseguiu,em pouco mais de cinco minutos, explicar a uma plateia porque não devemos utilizar palhinhas de plástico e a como estas prejudicam os ecossistemas. As palavras desta criança, numa comunicação feita na TedX, tornaram-se virais e a campanha iniciada conta já com a participação de mais de 10 mil estudantes por toda a Austrália.