No último sábado, dia 26 de maio, a primeira edição do Braga Stand Up Comedy Fest levou até à cidade minhota quatro grandes nomes do stand up comedy português. O Espalha-Factos marcou presença e mostra-te agora alguns dos melhores momentos desta noite de comédia.

Rui Xará, Hugo Sousa, Dário Guerreiro e Francisco Menezes proporcionaram uma noite memorável, com muitas gargalhadas e boa disposição à mistura. O público estreou a sala e esteve ao rubro!

Victor Sarro, um artista em ascensão na comédia brasileira, foi o convidado especial deste evento organizado pela IDEALTOURS eventos, cujo objetivo era abrir com chave de ouro o grande auditório do Forum Braga.

Confere tudo na fotogaleria:

A abrir e a fechar o espetáculo, bem como entre cada atuação para apresentar os convidados, esteve o conterrâneo Rui Xará, um dos pioneiros na arte do stand up em Portugal, que não deixou de mandar algumas piadas sobre a família.

Braga
Francisco Menezes já nos habitou às suas performances completas, com muita cantoria e dança. Desta vez não foi exceção.

Hugo Sousa, outro nome conhecido nestas andanças, criticou as músicas brasileiras e fez piadas com os termómetros da era moderna. Ao que parece agora basta colocá-los perto do bebé para sabermos se existe ou não febre. Um gozo, visto que, no tempo dele, era preciso fingir não estar doente para que esse objeto não fosse colocado em sítios indesejados.

Braga
A maior surpresa foi o brasileiro Victor Sarro que cruzou o atlântico para começar uma tour pela Europa, não deixando claro de fazer uma paragem pelo Braga Stand Up Comedy Fest. Com o seu humor muito próprio, brincou com letras e músicas, falou de vários cantores, como Luan Santana, da música sertaneja (considerando que ambos nunca deviam ter saído do Brasil) e dos aspetos negativos de Portugal. A Maria Leal é um deles.

Braga
Dário Guerreiro, ou Môce dum Cabréste como é mais conhecido pelos seus vídeos no Youtube, é algarvio, mas não se poupou nos elogios aos nortenhos. Tudo porque o pessoal do sul e do norte é sempre discriminado pelos lisboetas.  E, claro, porque a comida do norte é de comer e chorar por mais. Não faltaram também as gracinhas com a sua altura e com o seu livro de poesias.

LÊ TAMBÉM: CORTADO POR TODOS OS LADOS, ABERTO POR TODOS OS CANTOS: UMA JORNADA TEATRAL NO D. MARIA II