A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) tomou a decisão de dispensar a Avaliação de Impacto Ambiental na perfuração petrolífera ao Largo de Aljezur pelo consórcio Eni/Galp. Desidério Silva, presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA), reforça o repúdio e lamenta ao sucedido.

“Há limites para tudo e isto devia ser uma ideia morta à nascença”. Desidério Silva não poupa as palavras para uma decisão que considera “aberrante”. Em entrevista ao Espalha-Factos, o presidente da RTA refere que esta é uma dinâmica “nada favorável ao Algarve e à Costa Alentejana”.

Nas mais de 42 mil pessoas que, nas consultas públicas, se mostraram descontentes com a iniciativa, incluem-se os habitantes da zona do Algarve que olham com “discordância em relação à extração e em relação às medidas que a APA tomou, com a cobertura do Governo e dos responsáveis políticos”, afirma.

 

View this post on Instagram

⚠ capitalism vs. climate battle 🔂 Someone said to me in the middle of the protest: all is right, I believe. And I, considering myself as an optimistic, felt puzzled. Right before, someone else mentioned how far out we've came and how unbelievable our human world has turned into -'something must went really wrong'. Today, with no answers, outraged and disappointed with the (hollow) power of the corporations' lobbys, I joined the protest. And now, on my own (and I'm not religious), I pray to this earth: for being the life sustainance to all and for those who can't acknowledge it as such. . #nofracking #protest #aljezur #naoaofuro #activism #ecologyforlife #nomorefossilfuels #peakoil #cleanenergiesplease #forourearth #outsideeveryday #portugal #sustainability #claimafuture

A post shared by Telma Antunes (@telmaleamaro) on

 

“É necessária uma avaliação do risco ambiental em Aljezur”

O presidente da RTA teme ainda que a região perca a força e a imagem que tem enquanto destino turístico, destacando que o que menos se precisa são “fatores de ruído perante os mercados e perante aqueles que escolhem o Algarve como destino de férias”.

Ao Espalha-Factos, Desidério Silva afirmou que “o Estado devia anular completamente os contratos e não alimentar a possibilidade do estudo da perfuração”, mas, a concretizar-se, seria “necessária uma avaliação do risco ambiental em Aljezur”.

Para além disso, a RTA está neste momento a projetar uma candidatura à UNESCO que tem como base “os lugares da globalização assentes naquilo que foram os descobrimentos nas terras do Infante”. Desidério Silva espera que a conjuntura envolvente não venha a “trazer contratempos em relação ao sucesso desta mesma candidatura”.

A operação em Aljezur tem início previsto para 15 de setembro e, de acordo com estes opositores, vai envolver substâncias tóxicas e métodos que podem pôr em causa a saúde humana e ambiental.