Realizada pela primeira vez em Portugal, a final do Festival Eurovisão da Canção deste ano foi a mais vista dos últimos dez anos. O evento foi visto por uma média de 1 milhão e 548 mil espectadores na noite deste sábado, o correspondente a 16% de audiência média e 36,4% de share.

A transmissão do Festival foi líder de audiências do primeiro ao último minuto, deixando a concorrência a grande distância. No confronto com a Eurovisão, entre as 20h e as 23h49, a TVI atraiu uma média de 701 mil espectadores (7,2% / 16,5%), enquanto a SIC foi vista por 552 mil espectadores (5,7% / 13,0%).

O momento mais visto da noite foi o desfecho da emocionante votação e o anúncio da canção israelita Toy como vencedora deste ano. Às 23h39 estavam sintonizados na RTP1 cerca de 1 milhão e 897 mil espectadores (19,6% de rating), cerca de metade do público que assistia televisão (50,2% de share).

A realização do Festival Eurovisão da Canção em Portugal impulsionou as audiências do evento e garantiu a melhor audiência desde 2008. Na altura, 1 milhão e 716 mil portugueses (46,7% de share) viram Vânia Fernandes cantar Senhora do Mar em Belgrado.

A final deste ano conseguiu mais 147 mil espectadores em média do que a vitória de Amar pelos Dois no ano passado, que registou uma média de 1 milhão e 401 mil espectadores (14,5% / 32,5%). No entanto, o pico de audiência registado em 2017 foi superior ao deste ano: 2 milhões e 372 mil viram a consagração de Salvador Sobral (24,5% / 57,5%).

Nas contas totais do dia, a RTP1 teve um dos melhores resultados do ano, com 21,7% de share. A TVI caiu para os 15,6%, e a SIC ficou-se pelos 12,7% de share.

Líder em todas as faixas etárias

Os maiores índices de audiência da Eurovisão voltaram a registar-se entre os mais velhos, mas foi entre os mais jovens que a estação pública cresceu mais.

Nos segmentos 4-14 anos (26,3% de share) e 15-24 anos (28,5%) o Festival deu à RTP1 valores que o canal apenas atinge em transmissões futebolísticas. As maiores quotas de mercado registaram-se nas faixas 65-74 anos (41,5%) e maiores de 75 anos (47,1%), um público mais fiel à estação pública.

Na distribuição por género houve algum equilíbrio, embora com vantagem para o público feminino, que representou cerca de 56% do auditório. O Eurovision Song Contest registou 37,3% de share nas mulheres, e 35,3% nos homens.

Os estratos socioeconómicos mais favorecidos voltaram a registar maior afinidade com o Festival. Enquanto na classe A se registou um share de 59,2%, na classe E o certame ficou-se pelos 28,4% de quota de mercado.