“Eles falam falam e eu não os vejo a fazer nada, pá”. E não é que fizeram mesmo? O grupo Gato Fedorento comemora 15 anos e decidiu brindar-nos com a sua estreia nas redes sociais.

Foi em 2003 que um grupo de quatro argumentistas da agência Produções Fictícias se juntaram para criar o blogue “Gato Fedorento”. Não tardou a que dois dos membros, José Diogo Quintela e Ricardo Araújo Pereira, saltassem das páginas web para a caixinha mágica.

No programa “Perfeito Anormal”, da SIC Radical, deram os primeiros passos com sketches que o público imortalizaria. Daí até terem um programa próprio foi um pequeno salto, ao qual se juntou Miguel Góis e Tiago Dores, e o quarteto voltou a estar reunido. Série Fonseca, Barbosa, Meireles, Lopes da Silva. Quantas mais viessem, mais o público agradecia. E rumaram à RTP. Voltaram à SIC.

A história deste grupo não estranha a ninguém e, mais de uma década depois, criaram redes sociais para partilhar todo o trabalho desenvolvido.

https://www.instagram.com/p/BiCyQJlgZmy/?taken-by=gatofedorentooficial

“Um blog com opiniões, nenhuma das quais devidamente fundamentadas”

Em 2003 o projeto apresentava-se da seguinte forma:

“Gato Fedorento é, como o próprio nome indica, um blog de opiniões e de polémica. Aliás, a polémica começa logo nesta apresentação porque, dos quatro autores do Gato Fedorento, um acha que o blog não devia ter polémica, outro defende que não devia ter opiniões e outro entende que não devia ser um blog, mas sim um espectáculo de marionetas. O quarto não quis dar a sua opinião, atitude que os outros três consideraram polémica.
À partida, este blog apresenta-se com ideias claras e com um objectivo preciso. Infelizmente, perdemos o papel onde tínhamos isso apontado. Mas eram, de facto, ideias mesmo muito claras, e o objectivo, esse, era particularmente preciso.
Aqui serão abordados diversos temas, com destaque para estes: literatura, política, seios femininos, cinema, a carreira de Tonicha (em especial o período que medeia entre 1977 e 1981) e futebol.

Em 2018, embora o grupo já não trabalhe junto há algum tempo, decidiu criar uma página de Youtube, onde vai colocar os vários conteúdos, mas também uma página de Facebook, Instagram e um site.