O filme fetiche de Terry Gilliam é finalmente mostrado ao público. The Man Who Killed Don Quixote é um sonho do realizador há quase 20 anos. As tentativas de produzir o filme e os seus problemas são lendários. Em quase 20 anos de pré-produção, Johnny Depp, John Hurt e o produtor português Paulo Branco já estiveram envolvidos. Agora, o filme está pronto a ser mostrado.

O início do sonho

Foi em 1998 que Terry Gilliam, realizador de filmes como 12 Macacos e Brasil- O Outro Lado do Sonho, leu pela primeira vez a obra Don Quixote, de Miguel de Cervantes. Apaixonado pelo livro, o realizador -e membro dos Monty Phyton– decidiu levar a público um filme baseado na obra. Gilliam anunciou o projeto logo após Delírio em Las Vegas.

O realizador escolheu Johnny Depp como o seu protagonista, com Vanessa Paradis -casada na altura com Depp- a ser o seu par romântico. Jean Rochefort, ator francês falecido o ano passado, seria a última peça do puzzle. As filmagens foram rapidamente prejudicadas por diversos problemas, desde a saúde de Rochefort, passando por cheias que destruíram os cenários.

O filme conta a história de um idoso que acredita ser Don Quixote, e que confunde Toby, um publicista, pelo seu escudeiro, Sancho Panza. A parelha junta-se numa viagem que alterna entre o século XXI e o século XVII. Toby começa, gradualmente, a não distinguir entre os dois mundos.

Development hell

A produção acabou por ser cancelada, mas o material foi utilizado de outra forma. Em 2002, estreava Lost in La Mancha, documentário que seria sobre a rodagem do filme, mas que acabou por espelhar a tentativa infrutífera de o fazer. O documentário foi extremamente bem recebido, acabando por aumentar o legado deste projeto que se dizia amaldiçoado.

O filme ganhava estatuto em Hollywood como um dos mais notórios exemplos de development hell, termo da indústria que descreve um projeto que se mantém em desenvolvimento mas que não é concluído. O filme foi tentativamente avançando durante a década seguinte, com John Hurt a ser escolhido para novo protagonista em 2014.

Já Johnny Depp acabaria por desistir do projeto em 2010, com Ewan McGregor apontado como o seu sucessor no papel. A produção foi novamente interrompida em 2015, devido ao diagnóstico de cancro, e eventual falecimento, de John Hurt. No mesmo ano, falecia também Jean Rochefort.

Branco que tudo escureceu

Em cena entrou Paulo Branco, produtor português, que se ofereceu para reunir os fundos necessários para a produção do filme. Adam Driver (Star Wars- O Despertar da Força) foi escolhido como protagonista, com Olga Kurylenko (Quantum of Solace) como o seu par romântico. O filme parecia entrar novamente no caminho certo.

No entanto, rapidamente a relação entre Gilliam e Branco se agudizou. O produtor exigia controlo criativo sobre o filme, enquanto pretendia também diminuir o orçamento. Com os desentendimentos entre ambos a escalarem rapidamente, Paulo Branco acabaria mesmo por cancelar a produção do filme, em Outubro de 2016. Gilliam, em consequência, acabou por sofrer um ataque cardíaco.

Mas o realizador inglês persistiu, acabando por conseguir o financiamento necessário para o projeto. Jonathan Pryce (Game of Thrones) foi escolhido para protagonista, mantendo-se o restante elenco. O projeto avançava finalmente.

Paulo Branco viria, no entanto, a tentar cancelar o atual filme, alegando que os direitos da sua rodagem lhe pertencem e que o filme era “ilegal”. Por entre disputas legais, Branco apelidou Terry Gilliam de “louco“, enquanto o realizador descreveu Paulo Branco como “alguém que se move na penumbra e na loucura, idealizando sonhos megalómanos enquanto atira mentiras e ameaças.” O realizador inglês chegou mesmo a criticar abertamente Paulo Branco num post, no Facebook.  Uma decisão definitiva sobre o processo será tomada em Junho deste ano.

“Veneza é uma cidade tão bonita”

A história que circunda The Man Who Killed Don Quixote é já lendária. A tentativa de fazer o filme dava, por si só, um filme. Ou talvez uma antologia, tendo em conta que um filme sobre a produção de The Man Who Killed Don Quixote já existe há mais de uma década.

Todo o filme está rodeado de problemas, imprevistos e disputas. Mas agora, está também finalmente à vista do mundo. The Man Who Killed Don Quixote não tem ainda data de estreia, embora Gilliam tenha indicado que ocorrerá no 75.º Festival de Cinema de Veneza: “Veneza é uma cidade tão bonita, não é?”, perguntava Gilliam a 5 de abril a um jornalista.